0

Grupo pró-russo invade sites oficiais do governo alemão

Grupo autointitulado CyberBerkut assumiu a responsabilidade pelo ataque

7 jan 2015
12h41
atualizado às 14h31
  • separator
  • 0
  • comentários

As páginas do governo alemão na Internet, incluindo a da chanceler (primeira-ministra) Angela Merkel, foram invadidas nesta quarta-feira em um ataque virtual, cuja autoria foi assumida por um grupo que reivindica o corte dos laços oficiais entre Berlim e o governo ucraniano.

<p>A p&aacute;gina da chanceler&nbsp;Angela Merkel foi uma das v&iacute;timas do ataque virtual</p>
A página da chanceler Angela Merkel foi uma das vítimas do ataque virtual
Foto: Stringer / Reuters

O ataque, contra o qual foram tomadas medidas reativas, deixou os sites periodicamente inacessíveis desde as 10h (7h, no horário de Brasília), disse o porta-voz da chanceler, Steffen Seibert.

“Nossos provedores de serviços de centro de dados estão sob um grave ataque, causado aparentemente por vários sistemas externos”, disse ele, em uma entrevista à imprensa ao ser questionado se hackers ucranianos seriam os responsáveis.

Em um comunicado publicado em seu site, o grupo autointitulado CyberBerkut assumiu a responsabilidade pelo ataque.

‘Berkut’ é uma referência às tropas de choque utilizadas pelo ex-presidente ucraniano pró-Rússia Viktor Yanukovich, deposto durante protestos violentos em fevereiro.

“O CyberBerkut bloqueou os sites da chancelaria alemã e da Bundestag (Câmara Baixa do Parlamento)”, afirmou o grupo em www.cyber-berkut.org.

A alegação não pôde ser verificada de forma independente.

“Clamamos a todas as pessoas e ao governo da Alemanha que interrompam o apoio político e financeiro ao regime criminoso de Kiev, que provocou uma sangrenta guerra civil” , disse o grupo.

O primeiro-ministro ucraniano, Arseny Yatseniuk, tem uma reunião marcada com o presidente alemão, Joachim Gauck, em Berlim nesta quarta-feira.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade