0

Demo de Yakuza 6 é removida da PSN após jogadores destravarem o jogo completo

28 fev 2018
13h11
  • separator
  • 0
  • comentários

O sexto capítulo da franquia Yakuza já havia sido lançado no Japão em dezembro de 2016 e, após um longo período de espera, finalmente está prestes a chegar ao ocidente. Uma demonstração gratuita de Yakuza 6: The Song of Life até mesmo foi disponibilizada pela SEGA na PlayStation Network (PSN) nesta terça-feira (27). Os jogadores que se aventuraram nesta épica saga, contudo, encontraram mais do que poderiam imaginar.

Yakuza 6
Yakuza 6
Foto: SEGA / Canaltech

O download da versão de testes do título, que é basicamente o arquivo do jogo completo, deveria limitar os gamers a jogarem apenas os capítulos iniciais de Yakuza 6. Todavia, pouco tempo depois de ter entrado no catálogo da PSN, alguns usuários descobriram que era possível ir além do trecho final da demo.

Isso não é algo exatamente raro de acontecer, uma vez que muitas demonstrações que são disponibilizados são, na verdade, arquivos full game. Nestes casos, os jogadores têm acesso a uma parte limitada da build baixada, e, caso queiram adquirir o título pra valer, precisam comprar uma chave de ativação na loja do console. A tática é feita desta  forma para facilitar que os arquivos salvos sejam automaticamente transferidos para o jogo comprado.

Com a demo de Yakuza 6, no entanto, a descoberta de que era possível jogar o restante do game foi natural, de modo que os poucos, e sortudos, jogadores que notaram e exploraram a falha não usaram nenhum truque para isso. Troféus, inclusive, foram desbloqueados enquanto jogavam.

O acontecimento se deu primeiramente na PSN americana, e, à medida que os relatos foram se espalhando pelas redes sociais, a SEGA decidiu retirar a versão de testes do ar. A publisher pediu desculpas aos jogadores pelo inconveniente em sua conta oficial do Twitter, e prometeu investigar o ocorrido.

Yakuza 6: The Song of Life tem lançado previsto para 17 de abril no PlayStation 4.

Canaltech Canaltech
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade