PUBLICIDADE

Príncipe da Jordânia promete lealdade ao rei após mediação

5 abr 2021
20h09 atualizado em 6/4/2021 às 14h30
0comentários
20h09 atualizado em 6/4/2021 às 14h30
Publicidade

O príncipe da Jordânia Hamza declarou sua lealdade ao rei Abdullah nesta terça-feira após mediação feita pela família real, dois dias depois de ser colocado em prisão domiciliar e acusado de tentar desestabilizar o país.

Príncipe da Jordânia Hamza bin Hussein 
 21/8/2004   REUTERS/Ali Jarekji
Príncipe da Jordânia Hamza bin Hussein 21/8/2004 REUTERS/Ali Jarekji
Foto: Reuters

O príncipe Hamza assinou uma carta na qual se coloca à disposição do monarca após uma reunião na segunda-feira com o príncipe Hassan, o tio do rei, e outros príncipes, afirmou a corte real do país.

"Eu me coloco nas mãos de sua majestade, o rei (...) eu irei continuar comprometido com a constituição do querido Reino Hachemita da Jordânia", diz o príncipe Hamza em carta publicada pelo palácio. 

Uma publicação anterior do palácio real no Twitter dizia que o rei havia confiado ao príncipe Hassan, que também foi um ex-príncipe da coroa, a tarefa de se encarregar da questão.

No sábado, as forças militares do país alertaram o príncipe Hamza de que suas ações estariam prejudicando a "segurança e a estabilidade" da Jordânia, e posteriormente ele afirmou estar sob prisão domiciliar. Várias figuras de alta importância também foram detidas. 

Autoridades disseram que o príncipe Hamza havia se articulado com pessoas que possuem contatos com partes estrangeiras em um plano para desestabilizar a Jordânia, um importante aliado dos Estados Unidos, e que ele estava sendo investigado há um tempo. 

O meio-irmão do rei Abdullah e ex-herdeiro ao trono da Jordânia disse em uma gravação de voz publicada pela oposição do país que não iria consentir após ter sido barrado de qualquer atividade e recebido ordens para ficar calado.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade