6 eventos ao vivo

Polícia prende mafioso da Camorra mais procurado da Itália

Criminoso Marco Di Lauro estava foragido há 15 anos

2 mar 2019
14h32
atualizado às 15h43
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Os carabineiros de Nápoles, no sul da Itália, prenderam neste sábado (2) Marco Di Lauro, de 38 anos, chefe da máfia Camorra que estava foragido há 15 anos.
    A operação foi comandada por agentes da Direção Distrital Antimáfia (DDA) com apoio da polícia local. O criminoso é considerado um dos fugitivos mais perigosos do país depois do líder da máfia Cosa Nostra, Matteo Messina Denaro, foragido há mais de 20 anos.
    Di Lauro foi detido em um edifício na Via Emilio Scaglione, no distrito de Chiaia, periferia de Nápoles. Ele é acusado de associação mafiosa, narcotráfico e instigação de quatro assassinatos. Além disso, tem uma condenação à prisão perpétua pela morte do italiano Attilio Romanò, executado por engano durante uma briga. Segundo a polícia local, o italiano não resistiu à prisão. Ele é o quarto filho de Paolo Di Lauro, apelidado de "Ciruzzo" ou "Il Millonario", fundador da família mafiosa de Secondigliano e Scampia, que é conhecido por ter sido condenado várias vezes à prisão perpétua por comandar a região. Nascido em 1980, Di Lauro estava foragido desde 2004, quando conseguiu escapar da famosa ofensiva batizada de "Noite das Algemas". Na ocasião, mil carabineiros invadiram os bairros de Scampia e Secondigliano e cumpriram 53 mandados de prisão contra mafiosos. Logo em seguida, as autoridades incluíram o nome de Di Lauro na lista da Interpol dos 30 criminosos mais perigosos da Itália. A ofensiva foi comemorada pelo vice-premier e ministro do Interior da Itália, Matteo Salvini. "Parabéns para a polícia que, depois da prisão de um terrorista argelino do Estado Islâmico, faz outra operação muito importante. Nenhuma trégua aos criminosos".

Polícia prende mafioso da Camorra mais procurado da Itália
Polícia prende mafioso da Camorra mais procurado da Itália
Foto: ANSA / Ansa - Brasil

Veja também:

Os navios gigantescos que a pandemia mandou para o desmanche
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade