0

Desiludidos, jovens eleitores de Obama em 2008 votam em Romney

6 nov 2012
18h31
atualizado às 18h37

Seduzidos pela mensagem de esperança e mudança apresentada por Barack Obama em 2008, muitos jovens resolveram votar quatro anos mais tarde no adversário dele, o republicano Mitt Romney, alegando desilusão com o democrata. Estudos recentes apontam que o respaldo dos jovens ao presidente americano está diminuindo, principalmente em Estados-chaves como Ohio, onde o número de 18 votos no Colégio Eleitoral pode decidir o resultado da eleição deste ano.

Tradicionalmente, a pequena cidade de Dixville Notch é a primeira cidade a concluir a votação no país
Tradicionalmente, a pequena cidade de Dixville Notch é a primeira cidade a concluir a votação no país
Foto: AP

Especiais
Entenda o funcionamento do processo eleitoral americano
Acompanhe as pesquisas nos Swing States, os Estados decisivos
Nesta eleição, o assunto é a economia; entenda


Especial traz reportagens dos bastiões democratas e republicanos

Infográfico mostra o poder do voto latino e o custo da campanha

Veja como foram os debates presidenciais

Perfis dos candidatos
Barack Obama: do sonho do idealismo ao esforço do realismo
Romney e os republicanos: entre o favoritismo e o ceticismo

Os mais jovens que ajudaram Obama a conquistar a Casa Branca cresceram em meio a uma economia que ainda sofre com a recessão e à necessidade de conseguir trabalho. Pesquisas do Generation Opportunity, um grupo sem ligações partidárias que trabalha com americanos entre 18 e 29 anos, mostra a dimensão da situação do jovens no país. Dos entrevistados, 89% deles disseram que a economia influenciava em sua vida diária, obrigando muitos a cortar os gastos com férias e comida, enquanto outros 17% postergaram eventos vitais como o casamento.

Um deles foi a eleitora Colleen Weston, que apostou em Obama há quatro anos após se formar na universidade e conseguir seu primeiro trabalho em uma pequena fábrica. "Estou completamente decepcionada com tudo o que ele não fez", afirmou a diretora de mercadotecnia de Cleveland, no Estado de Ohio. "As promessas que ele lançou em 2008, como dar uma volta na economia e conseguir mudanças para os americanos, simplesmente não vi", acrescentou.

Casada com Scott, Weston tem dois filhos e dois enteados. Há três anos, seu marido foi demitido do trabalho, momento em que regressou à universidade para começar uma nova carreira em busca de um futuro. "Minha perspectiva sobre quantas coisas realmente funcionam mudaram nos últimos quatro anos. Tive filhos neste tempo e a estabilidade do meu trabalho e do meu marido representa obviamente uma grande preocupação", desabafou.

Derek Anders tinha 19 anos e era estudante universitário quando votou em Obama. No entanto, começou a questionar sua decisão a partir de metade de 2010. "Eu acreditei na esperança e na mudança, e estamos em uma enorme crise econômica e metidos em duas guerras", criticou. "Tenho fé e esperança que Romney possa fazer (com o país) o que tem feito ao longo de sua vida, que é tocar empresas adiante".

Americanos vão às urnas
Os americanos escolhem nesta terça-feira seu presidente. O atual mandatário, o democrata Barack Obama, disputa a preferência dos eleitores com o republicano Mitt Romney. Diferente do Brasil, as eleições americanas são indiretas. O candidato mais votado em cada Estado leva todos os seus delegados. No fim, o candidato com maior número de delegados - e não de votos - sai vencedor. O Terra, maior empresa latino-americana de mídia digital, faz a cobertura completa das eleições presidenciais nos EUA e acompanha a apuração de votos em tempo real.

AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
publicidade