PUBLICIDADE

Mundo

Mulher que se juntou ao Estado Islâmico perde recurso sobre remoção de cidadania britânica

23 fev 2024 - 10h07
Compartilhar
Exibir comentários

Uma mulher nascida no Reino Unido que foi para a Síria quando era estudante para se juntar ao Estado Islâmico perdeu seu último recurso nesta sexta-feira sobre a remoção de sua cidadania britânica.

O governo britânico retirou a cidadania de Shamima Begum por motivos de segurança nacional em 2019, logo depois que ela foi encontrada em um campo de detenção na Síria.

Begum, agora com 24 anos, argumentou que a decisão era ilegal, em parte porque as autoridades britânicas não consideraram adequadamente se ela era vítima de tráfico, um argumento que foi rejeitado por um tribunal inferior em fevereiro de 2023.

A Corte de Apelação em Londres rejeitou seu recurso nesta sexta-feira, após uma apelação em outubro.

A juíza Sue Carr disse: "Pode-se argumentar que a decisão no caso da Sra. Begum foi severa. Também se pode argumentar que a Sra. Begum é a autora de seu próprio infortúnio."

"Mas não cabe a este tribunal concordar ou discordar de nenhum desses pontos de vista. Nossa única tarefa é avaliar se a decisão de privação foi ilegal."

"Concluímos que não foi e o recurso foi indeferido."

O governo saudou a decisão.

"Nossa prioridade continua sendo manter a segurança e a proteção do Reino Unido e defenderemos com veemência qualquer decisão tomada nesse sentido", disse um porta-voz do Ministério do Interior.

Os advogados de Begum pediram ao Reino Unido que a repatriasse e a outros que permanecem na Síria, descrevendo a recusa em fazê-lo como "vergonhosa".

"Todos os outros países aceitaram seus cidadãos de volta - França, Alemanha, Bélgica, Estados Unidos, Canadá, Austrália", disse o advogado de Begum, Gareth Peirce, aos repórteres.

"Todos os países em uma posição comparável viram que não há outra alternativa a não ser aceitar seus cidadãos de volta. O Reino Unido agora está praticamente sozinho."

Begum deixou Londres em 2015, aos 15 anos, e viajou com duas amigas de escola para a Síria, onde se casou com um combatente do EI e deu à luz três filhos, todos mortos quando bebês.

Ela está no campo de al-Roj, na Síria, desde 2019, com milhares de outras mulheres e crianças estrangeiras.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade