3 eventos ao vivo

Ministro e parlamentar testam positivo de coronavírus no Irã

25 fev 2020
12h31
atualizado às 12h41
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Foto: Nazanin Tabatabaee / Reuters

O vice-ministro da Saúde do Irã e um membro do parlamento deram positivo para o coronavírus, conforme o número de mortos no país subiu para 16 e os iranianos temem que as autoridades possam estar subestimando a escalada do surto.

O Irã tem o maior número de mortes por coronavírus fora da China, onde o vírus surgiu em dezembro e mais de 2.600 morreram.

"Meu teste de corona é positivo ... não tenho muita esperança de continuar vivendo neste mundo", escreveu no Twitter Mahmoud Sadeghi, parlamentar de Teerã.

Também entre os infectados estava o vice-ministro da Saúde, que postou um vídeo online anunciando sua infecção, que foi mostrado na mídia estatal.

"Entre os suspeitos de estar com vírus, 35 (novos casos) foram confirmados e dois morreram devido à infecção por coronavírus", disse o porta-voz do Ministério da Saúde Kianush Jahanpur. Ele disse que 95 pessoas foram infectadas em todo o Irã.

Jahanpur calcula o número de mortos em 15, mas a agência de notícias estatal disse mais tarde que uma pessoa infectada pelo vírus morreu na cidade de Saveh. Alguns relatórios não confirmados deram um número maior de mortes.

Preocupados com o fato de os números oficiais poderem subestimar a escala do surto do Irã, muitos iranianos foram às mídias sociais para acusar as autoridades de ocultar fatos.

O chefe da Universidade de Ciências Médicas da cidade sagrada xiita de Qom, Mohammad Reza Ghadir, expressou preocupação com "a disseminação das pessoas infectadas pelo vírus por toda a cidade", acrescentando que o Ministério da Saúde proibiu a divulgação de figuras ligadas ao coronavírus.

As autoridades ordenaram o cancelamento nacional de shows e partidas de futebol e o fechamento de escolas e universidades em muitas províncias, e instaram os iranianos a ficarem em casa.

O Irã disse na segunda-feira que 900 casos eram suspeitos, descartando as reivindicações de um parlamentar de Qom que disse que 50 pessoas morreram na cidade, o epicentro do novo surto de coronavírus.

"É um visitante não convidado e nada auspicioso. Se Deus quiser, vamos superar ... esse vírus", disse o presidente iraniano Hassan Rouhani em um discurso televisionado.

O Irã, que confirmou suas duas primeiras mortes na semana passada em Qom, ainda não informou quantas pessoas estão em quarentena, mas a agência semioficial de notícias Mehr disse que 320 pessoas foram hospitalizadas.

(Com reportagem adicional de Babak Dehghanpisheh)

Veja também:

Último debate entre Trump e Biden tem tom mais ameno, mas com troca de acusações; veja destaques
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade