PUBLICIDADE

Jornalistas afegãos são espancados sob detenção do Taliban, diz editor

9 set 2021 14h56
ver comentários
Publicidade

Dois jornalistas afegãos sob custódia da polícia foram espancados nesta semana depois de cobrirem um protesto de mulheres em Cabul, durante o qual foram detidos pelo Taliban, disse seu editor.

Jornalistas mostram marcas de espancamento pelo Talibã em Cabul, Afeganistão
09/09/2021 WANA (West Asia News Agency) via REUTERS
Jornalistas mostram marcas de espancamento pelo Talibã em Cabul, Afeganistão 09/09/2021 WANA (West Asia News Agency) via REUTERS
Foto: Reuters

Zaki Daryabi, fundador e editor-chefe do jornal Etilaat Roz, compartilhou nas redes sociais imagens de dois repórteres, um com marcas largas e vermelhas na parte inferior das costas e pernas e outro com marcas semelhantes no ombro e no braço.

As fotos, que foram verificadas pela Reuters, também mostram os dois com hematomas e cortes nos rostos.

Quando indagado sobre o incidente, um ministro interino do Taliban que foi indicado ao posto quando o novo governo foi anunciado na terça-feira disse que qualquer ataque a jornalistas será investigado. Ele não quis ser identificado.

Daryabi disse que os espancamentos enviam uma mensagem arrepiante à mídia do Afeganistão, onde uma imprensa independente em grande parte financiada por doadores ocidentais floresceu nos últimos 20 anos.

"Cinco colegas foram mantidos em um centro de detenção durante mais de quatro horas, e durante estas quatro horas dois de nossos colegas foram espancados e torturados brutalmente", disse ele à Reuters nesta quinta-feira, o dia seguinte ao incidente.

Ele ainda disse que os repórteres feridos foram levados ao hospital e que médicos os aconselharam a tirar duas semanas de descanso.

O Taliban promete permitir a atuação da mídia e respeitar os direitos humanos.

(Redações de Islamabad e Mumbai)

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade