1 evento ao vivo

Europa

Suspeitos de ataque a revista são mortos e refém é liberado

Pascal Rossignol / Reuters

Não há informações confirmadas sobre vítimas da troca de tiros ocorrida nesta sexta-feira

9 jan 2015
07h27
atualizado às 14h46
  • separator
  • comentários

Os dois irmãos que faziam um homem refém em um fábrica na pequena cidade de Dammartin-en-Goele, no norte da França, teriam sido mortos pela polícia nesta sexta-feira, segundo a agência de notícias AFP. O refém passa bem. Os mortos eram os dois principais suspeitos pelo ataque ao jornal semanal Charlie Hebdo.

<p><span style="font-size: 15.4545450210571px;">Suspeitos de cometerem ataque ao jornal semanal de Paris Charlie Hebdo, Cherif e Said Kouachi</span></p>
Suspeitos de cometerem ataque ao jornal semanal de Paris Charlie Hebdo, Cherif e Said Kouachi
Foto: Twitter / Reprodução

A polícia invadiu a fábrica do setor gráfico (CTD -  Création Tendance Découverte). após horas de negociação e um cerco montado no local.

O ministro do Interior, Bernard Cazeneuve, já havia confirmado, separadamente, que uma operação policial estava em andamento na cidade, a cerca de 40 quilômetros do local onda a polícia vinha procurando os dois irmãos suspeitos, na quinta-feira.

"Temos indicações da presença dos terroristas que nós queremos pegar", disse o ministro a repórteres em Paris, após uma fonte da polícia ter dito que havia ao menos um refém em uma instalação industrial de Dammartin-en-Goele.

Todos os acessos a cidade estão bloqueados.

Pela manhã, as forças de ordem perseguiram os dois suspeitos do atentado de quarta-feira, e foi registrado um tiroteio em uma estrada a nordeste da capital, segundo fontes policiais. Os tiros ocorreram em uma área a cerca de meia hora de carro do local onde eram procurados na quinta-feira, segundo as fontes. Não há informações confirmadas sobre vítimas.

Antes do tiroteio, os suspeitos haviam roubado um carro Peugeot 206, em Montagny-Sainte-Félicité, de uma mulher que disse ter reconhecido os irmãos Kouachi.

O site oficial da cidade de Dammartin-en-Goële alertou aos cidadãos (por volta de 8 mil) a ficarem em casa. Autoridades começaram a esvaziar as escolas na cidade, onde estudam cerca 1 mil crianças.

"Eles já esvaziaram a escola mais perto ao local do sequestro e agora vão esvaziar as outras", disse à Reuters o vice-prefeito Thierry Chevalier, afirmando que creches e escolas de educação fundamental serão as prioridades.

Os estudantes foram levados a um ginásio esportivo no centro da cidade para serem entregues a seus pais, disse o vice-prefeito.

Guerra contra terrorismo

O primeiro-ministro francês, Manuel Valls, declarou nesta sexta-feira que a França está em guerra "contra o terrorismo, não contra uma religião", e estimou que serão necessárias novas medidas "para responder à ameaça".

"Estamos em uma guerra contra o terrorismo. Não estamos em uma guerra contra uma religião, contra uma civilização", declarou Valls.

As forças de elite fizeram buscas durante toda a noite no norte da França pelos dois irmãos suspeitos da autoria do massacre na sede da Charlie Hebdo, que deixou 12 mortos e comoveu o país, tragédia que não impedirá a publicação de um novo número na próxima quarta-feira com uma tiragem de um milhão de exemplares.

Os suspeitos são dois irmãos franceses filhos de argelinos, ambos na casa dos 30 anos e que já estavam sob observação da polícia. Teriam sido eles que na quarta-feira invadiram a sede do jornal semanal de sátiras Charlie Hebdou, em Paris, e mataram a tiros 12 pessoas.

Com informações da Reuters, AFP e Deutsche Velle.

Foto: Terra

 

Fonte: Terra
  • separator
  • comentários
publicidade