PUBLICIDADE

Confira fatos que marcaram o pontificado de Bento XVI

Mandato de Joseph Ratzinger foi marcado por polêmicas com outras religiões além de casos de abusos sexuais na Igreja Católica

11 fev 2013 11h26
| atualizado às 12h39
ver comentários
Publicidade
<p>Papa Bento XVI acena para católicos na basílica de São Pedro em missa realizada em 2011</p>
Papa Bento XVI acena para católicos na basílica de São Pedro em missa realizada em 2011
Foto: Franco Origlia / Getty Images

Em seus sete anos como papa Bento XVI, Joseph Ratzinger teve que lidar com polêmicas criadas por súditos na Igreja Católica - como casos de abuso sexual cometidos por sacerdotes - e com outras, criadas por ele mesmo, especialmente envolvendo outros grups religiosos.

Relembre os principais fatos da trajetória de Bento XVI.

18 a 21 de agosto de 2005 - Bento XVI visita sua cidade natal na Alemanha para a Jornada Mundial da Juventude. Foi a primeira passagem de Joseph Ratzinger pela sua terra desde que empossado como Papa. Em sua passagem por Colônia, ele visitou uma sinagoga, numa tentativa de aproximação com os judeus.

29 de novembro de 2005 - Numa das primeiras grandes ações tomadas em seu mandato, Bento XVI impõe restrições a homossexuais se tornarem padres na Igreja Católica Romana. A Igreja Católica decidiu fechar definitivamente as portas dos seminários e ordens religiosas àqueles que "praticam a homossexualidade, apresentam tendências homossexuais profundamente radicais ou apóiam a chamada cultura gay", segundo o documento.

<p>Papa Bento XVI em passagem por Colônia, sua terra natal, em 18 agosto de 2005</p>
Papa Bento XVI em passagem por Colônia, sua terra natal, em 18 agosto de 2005
Foto: Patrick Hertzog / AFP

25 a 28 de maio de 2006 - Bento XVI visita a Polônia, incluindo o campo nazista de Auschwitz. No seu discurso ele deixa judeus desapontados por não mencionar o antissemitismo cristão.

Controvérsia com o Islã
9 a 14 de setembro 2006 - O Papa visita sua terra natal na Bavária. Em um discurso no dia 12 de setembro em Regensburg, ele atrai protestos de muçulmanos por retratar o Islã como violento e irracional, citando palavras do imperador bizantino Manuel II Paleólogo.

17 de setembro de 2006 - Dias depois, o Papa Bento XVI diz que está "profundamente arrependido" em função da reação muçulmana ao seu discurso. Ele disse que foi mal compreendido.

25 de setembro de 2006 - Cerca de uma semana após os incidentes com a comunidade muçulmana, o Papa expressa sua "estima e profundo respeito" pelos muçulmanos em um discurso a enviados a 20 países muçulmanos.

28 de novembro a 1º de dezembro de 2006 - Em viagem papal à Turquia, o Papa tenta "remendar" as relações com os muçulmanos e chega a visitar uma mesquita, num encontro que incluiu orações com o rosto voltado para Meca.

9 a 14 de maio de 2007 - A visita ao Brasil é ofuscada por polêmicas como comentários de críticos que dizem que os indígenas foram explorados pelo colonialismo da cristandade e de que políticos católicos que apoiam o aborto poderiam ser excomungados da Igreja.

30 de junho de  2007 - Bento XVI pede à China que acabe com as restrições à liberdade de religião que "sufocam" a Igreja Católica Romana no país.

7 de julho de 2007 - O Papa publica uma declaração permitindo que antigas missas em latim sejam celebradas de "forma mais ampla", abrindo uma concessão a uma das principais tradições do catolicismo.

5 de fevereiro de 2008 - O Papa muda a prece em latim da Sexta-feira Santa, excluíndo a referência aos judeus e à sua "cegueira", mas ainda os conclamando a aceitar Jesus.

Na rota dos abusos

Papa Bento XVI em encontro com o primeiro ministro italiano
Papa Bento XVI em encontro com o primeiro ministro italiano
Foto: Getty Images
15 a 21 de abril de 2008 - Bento  XVI faz sua primeira visita papal aos Estados Unidos, onde ele encontra vítimas de abusos sexual por membros da Igreja Católica. Ele também conduziu uma missa no Marco Zero (onde ficava o World Trade Center, derrubado nos atentados terroristas do 11 de setembro de 2001) e falou diante na ONU.

12 a 21 de julho de 2008 - O Papa visita a Austrália para a Jornada Mundial da Juventude. Mais uma vez, ele encontra vítimas de abusos sexuais cometidos por padres.

4 a 6 de novembro - O primeiro Fórum Católico-Muçulmano se reúne no Vaticano, onde Bento XVI recebe eruditos do Islã.

24 de janeiro de 2009 - Em uma ação polêmica, Bento XVI suspende a excomuhão (expulsão) de quatro bispos conservadores, incluindo o bispo britânico Richard Williamson, que negava o Holocausto.

12 de março de 2009 - Bento XVI escreve aos bispos de todo o mundo explicando a readmissão polêmica dos quatro membros excomungados e admitindo que lidou mal com a situação.

17 a 23 de março de 2009 - O Papa visita Camarões e Angola, numa visita marcada pelo comentário de que os preservativos tornam a crise de HIV-Aids no país pior.

8 a 15 de maio de 2009 - Em nova polêmica envolvendo o Holocausto, o Papa bento XVI deixa líderes judeus decepcionados em sua passagem pela Jordânia, Israel e Palestina, em função de se discurso no memorial ao Holocausto Yad Vashem.

3 de dezembro de 2009  - O Vaticano abre relações diplomáticas com a Rússia.

19 de dezembro 2009 - Bento XVI dá os primeiros passos para tornar o papa Pio XII um santo, mais uma vez irritando líderes judeus que dizem que Pio XII não fez o suficiente para ajudar os judeus durante o Holocausto.

20 de março 2010 - Em carta aos irlandeses, Bento XVI expressa choque e dor ao saber da crise envolvendo abusos sexuais no país.

17 a 18 de 2010 - O Papa visita Malta, e menciona a crise envolvendo abusos de forma indireta.

Dias depois de abençoar o caixão de João Paulo II, Ratzinger acena para a multidão pela janela da Basílica de São Pedro, agora como o Papa eleito, no dia 19 de abril de 2005
Dias depois de abençoar o caixão de João Paulo II, Ratzinger acena para a multidão pela janela da Basílica de São Pedro, agora como o Papa eleito, no dia 19 de abril de 2005
Foto: Patrick Hertzog / AFP
6 de novembro de 2010 - Bento XVI visita a Espanha por dois dias. Em sua passagem pelo país, ele ataca o aborto e o casamento gay, que haviam sido recentemente legalizados pelo governo local. Bento XVI chamou as ações de "secularismo agressivo" em uma missa em Barcelona.

6 de junho de 2011 - Na Croácia, um bastião do catolicismo romano nos Balcãs, o Papa alerta que a família tradicional na Europa está se "desintegrando".

25 de julho de 2011 - Em meio a um escândalo sexualna na Irlanda, o Vaticano retira seu embaixador no país nas véspera da divulgação de um relatório do parlamento irlandês que acusava autoridades eclesiásticas de encobrirem casos de abuso sexual.

18 de agosto de 2011 - O papa Bento XVI faz sua terceira visita à Espanha, na celebração da Jornada Mundial da Juventude em 2011.

22 de setembro de 2011 - Bento XVI chega à Alemanha para uma visita de quatro dias, visitando principalmente regiões protestantes na antiga parte comunista do país.

3 de novembro de 2011 - Alegando uma medida para controle fiscal, a Irlanda diz que vai fechar sua embaixada no Vaticano.

18 de novembro de 2011 - Na sua passagem pela capital de Benin, o Papa diz que as nações Africanas devem evitar o "rendimento incondicional à lei do mercado financeiro".

6 de janeiro de 2012 - Bento XVI, aumentando as chances de o próximo Papa ser um conservador europeu, nomeia 22 novos cardeais.

9 de janeiro de 2012 - O Papa diz que o casamento gay é uma das muitas ameaças à família tradicional que comprometem "o futuro da própria humanidade" na sua fala de Ano Novo a diplomatas no Vaticano.

24 de março - Bento XVI tem encontro com vítimas de violência entre gangues envolvidas no tráfico de drogas no México depois decriticar fortemente a maldade por trás dos narcóticos na sua primeira visita oficial ao país.

26 de março de 2012 - Bento XVI vai a Cuba para uma visita de três dias, 14 anos após a visita do papa João Paulo.

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade