PUBLICIDADE

Polícia da Islândia mata uma pessoa pela primeira vez em sua história

2 dez 2013 18h22
| atualizado às 18h49
ver comentários
Publicidade
<p>Viaturas ap&oacute;s a opera&ccedil;&atilde;o na casa de um morador que terminou com a primeira morte durante uma opera&ccedil;&atilde;o da pol&iacute;cia islandesa</p>
Viaturas após a operação na casa de um morador que terminou com a primeira morte durante uma operação da polícia islandesa
Foto: AFP

Um homem morreu nesta segunda-feira durante uma operação policial em Reykjavik, capital da Islândia, no que configurou a primeira morte durante ação de policiais na história recente deste país, disseram as autoridades. O episódio, considerado "sem precedentes", contrasta com o caráter pacífico da sociedade islandesa.

A operação começou quando um homem na casa dos 50 anos efetuou disparos em seu apartamento na região leste de Reykjavik, nas primeiras horas da madrugada desta segunda. Os policiais ordenaram a evacuação do prédio e iniciaram tratativas para convencer o homem a se entregar.

Policial entra casa do morador do leste de Reykjavik
Policial entra casa do morador do leste de Reykjavik
Foto: AFP

As negociações fracassaram, e os policiais decidiram disparar bombas de gás e entrar no apartamento do homem, onde eles tentaram, sem sucesso, imobilizá-lo. O morador realizou mais disparos. Um policial foi atingido no capacete, e outro, no escudo, mas ambos escaparam ilesos. Os policiais foram então obrigados a disparar. O morador acabou ferido e morreu em um hospital.

"A polícia lamenta este incidente e envia condolências à família deste homem", disse o chefe da Polícia Nacional em Reykjavik, Haraldur Johannessen. Ele também classificou o incidente como "sem precedentes" na história islandesa.

A Islândia tem uma população de 322 mil pessoas e uma das mais baixas taxas criminais do planeta. A polícia do país raramente usa armas em suas operações, e esta foi, segundo as informações oficiais, a primeira morte causada durante uma operação da polícia islandesa.

Com informações de AFP e BBC.

Fonte: Terra
Publicidade
Publicidade