2 eventos ao vivo

EUA não reconhecerão anexação da Crimeia, diz autoridade

Referendo para confirmar se Crimeia será parte da Rússia está marcado para o próximo domingo, 16 de março

9 mar 2014
12h31
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Os Estados Unidos não vão reconhecer a anexação da Crimeia pela Rússia se residentes votarem em referendo na próxima semana pela integração da região ao território russo, afirmou o oficial de segurança nacional dos EUA Tony Blinken, neste domingo.

Autoridades da Crimeia convocaram para 16 de março um referendo para confirmar que a região, que tem maioria formada por russos étnicos, é parte da Rússia. A votação foi marcada depois da deposição do presidente ucraniano, aliado de Moscou, no mês passado.

Tony Blinken, vice-conselheiro de segurança nacional do presidente norte-americano, Barack Obama, afirmou em entrevista à CNN que a Rússia ficará sob pressão internacional cada vez maior como consequência do referendo.

"Primeiro, se houver uma anexação da Crimeia, um referendo que transfira a Crimeia da Ucrânia para a Rússia, não vamos reconhecê-lo nem a maior parte do mundo vai", disse Blinken.

"Segundo, a pressão que já exercemos em coordenação com nossos parceiros e aliados vai crescer. O presidente deixou muito claro ao anunciar nossas sanções, assim como fizeram os europeus outro dia. Isso é o primeiro passo e colocamos em ação um mecanismo muito flexível para aumentar a pressão, aumentar as sanções", afirmou.

Obama afirma que um referendo na Crimeia viola a lei internacional e a Constituição da Ucrânia. Na semana passada ele anunciou sanções que incluíram proibição de viagens e congelamento de ativos de indivíduos tidos como responsáveis pela intervenção da Rússia na Crimeia. O presidente russo, Vladimir Putin, não estava entre os indivíduos.

Forças russas tomaram o controle da península da Crimeia, crucial para Moscou como porto de águas quentes que abriga sua frota naval no Mar Negro. A ocupação não foi marcada por confrontos violentos, mas elevou as tensões com o Ocidente para o maior nível desde a Guerra Fria.

<a data-cke-saved-href="http://noticias.terra.com.br/mundo/crise-na-ucrania/" href="http://noticias.terra.com.br/mundo/crise-na-ucrania/">veja o infográfico</a>

Veja também:

O mergulhador paraplégico que ajuda a limpar mar em Israel
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade