PUBLICIDADE

EUA vão ampliar recomendação de não viajar para 80% do mundo

19 abr 2021
0comentários
Publicidade

O Departamento de Estado dos Estados Unidos anunciou nesta segunda-feira que irá aumentar sua orientação de "Não viajar" para cerca de 80% dos países do mundo, apontando um "risco sem precedentes aos viajantes" por conta da pandemia de Covid-19.

Aviões em Atlanta
21/3/2020   REUTERS/Elijah Nouvelage
Aviões em Atlanta 21/3/2020 REUTERS/Elijah Nouvelage
Foto: Reuters

"Essa atualização resultará no aumento significativo do número de países no nível 4: 'Não viajar', para 80% dos países do mundo", afirmou o Departamento em nota.

O Departamento já havia listado 34 de cerca de 200 países no "Nível 4: Não Viajar", incluindo lugares como Chade, Kosovo, Quênia, Brasil, Argentina, Haiti, Moçambique, Rússia e Tanzânia. Chegar à 80% do mundo implicaria na inclusão de mais 130 países à lista, aproximadamente. 

A maioria dos norte-americanos já estava impedida de viajar para grande parte da Europa por conta de restrições impostas pela pandemia de Covid-19. Washington barrou quase todos os não-cidadãos norte-americanos que estiveram recentemente em países europeus, na China, Brasil, Irã e África do Sul. 

O Departamento de Estado disse que a medida não implica uma reavaliação das atuais situações sanitárias em alguns países, mas "reflete um ajuste no sistema de aconselhamento de viagens do Departamento de Estado para se apoiar mais em avaliações epidemiológicas existentes (do Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, o CDC)."

O CDC não respondeu imediatamente a um pedido por comentários. 

No início do mês, o CDC anunciou que as pessoas vacinadas completamente contra a Covid-19 podem viajar com segurança pelos Estados Unidos com "risco baixo", mas a diretora do CDC, Rochelle Walenksy, desencorajou os norte-americanos a fazê-lo por conta do alto número de casos no país. 

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade