PUBLICIDADE

Veterana e extremista pró-Trump: quem era Ashli Babbitt

Babbitt foi morta a tiros durante a invasão do Congresso nesta quarta-feira, 6.

7 jan 2021 12h10
| atualizado às 15h45
ver comentários
Publicidade

Quando um grupo de extremistas pró-Trump invadiu o Capitólio, sede do Congresso americano, e quebrou janelas na quarta-feira, 6, uma mulher saltou em um painel e começou a passar.

Veterana e extremista pró-Trump: quem era Ashli Babbitt
Veterana e extremista pró-Trump: quem era Ashli Babbitt
Foto: IstoÉ

Segundos depois, um tiro soou e a mulher, que tinha uma bandeira Trump amarrada na cintura, tombou para trás e caiu no chão de mármore enquanto o sangue derramava de seu ombro.

"Eles atiraram em uma garota!" alguém gritou enquanto a multidão corria para fora da entrada sudeste.

Ela morreu mais tarde naquele dia, disse a polícia. Ela foi uma das quatro vítimas fatais dos tumultos violentos que destruíram os corredores do Congresso na quarta-feira, interrompendo a certificação da vitória eleitoral do presidente eleito Joe Biden. Três outras pessoas morreram em emergências médicas durante o caos, mas apenas Ashli Babbitt, de 35 anos, foi morta pela polícia durante a invasão.

Babbitt, de 35 anos, era natural da Califórnia e veterana da Força Aérea, segundo contou seu ex-marido ao The Washington Post. Antes de sua morte no Capitólio, ela usou suas redes sociais para expressar fervoroso apoio ao presidente Donald Trump e ecoar muitas das teorias de conspiração do presidente e falsas alegações de fraude eleitoral em massa.

A polícia ainda não confirmou a identidade de Babbitt nem confirmou detalhes sobre como ela foi baleada. A mulher foi baleada pela Polícia do Capitólio, disse o chefe da polícia de Washington, Robert J. Contee III, a repórteres na quarta-feira.

Babbitt serviu no Afeganistão e no Iraque, antes de participar de outros deslocamentos com a Guarda Nacional para o Kuwait e Qatar, disse o ex-marido Timothy McEntee. Ele e Babbitt se conheceram na Força Aérea e foram casados por 14 anos, antes de se separarem em maio de 2019.

McEntee, que não sabia que Babbitt havia viajado para Washington para os protestos, ficou chocado com a notícia de sua morte e a descreveu como inteligente e obstinada.

"Eu me sinto absolutamente péssimo e mal do estômago por isso", escreveu ele em uma mensagem de texto. "Ela nunca tinha medo de falar o que pensava e, de certa forma, essa era sua maneira de falar o que pensava (indo para o comício)."

McEntee disse que Babbitt se casou novamente e possuía uma empresa de fornecimento de piscinas com seu marido, Aaron Babbitt.

A sogra de Babbitt disse ao WTTG, que não a identificou pelo nome, que seu filho não acompanhou Babbitt a Washington. "Eu realmente não sei por que ela decidiu fazer isso", disse ela.

Em uma entrevista a uma rádio de San Diego, o marido de Babbitt disse que ela apoiava apaixonadamente Trump. McEntee ecoou esses sentimentos, acrescentando que ela era "muito barulhenta e opinativa, mas carinhosa, doce, atenciosa, amorosa".

"Você nunca se esqueceria de conhecê-la", escreveu ele.

Nas redes sociais, Babbitt gravou vídeos combativos sobre a política de imigração, enquanto expressava seu apoio a um muro de fronteira. No início de setembro, ela tuitou uma foto de um desfile de barcos Trump em San Diego vestindo uma camisa que dizia: "Somos Q", referindo-se a QAnon, a teoria da conspiração de extrema direita. O tuíte também incluiu a hashtag "# WWG1WGA", uma sigla usada por apoiadores que acreditam nas alegações de que Trump estava lutando contra um grupo de abusadores de crianças.

Babbitt também retuitou mensagens pedindo que o vice-presidente Pence renuncie e seja acusado de traição, vídeos de comícios de Trump e fotos dos apoiadores do presidente voando para D.C. para os protestos.

Em uma de suas últimas postagens, ela respondeu a um tuíte dizendo que muitos voos para Washington foram cancelados por causa do clima. "O mundo inteiro está corrompido", disse a pessoa.

Em resposta, Babbitt escreveu: "Nada vai nos impedir ... eles podem tentar e tentar e tentar, mas a tempestade está aqui e está caindo sobre DC em menos de 24 horas ... da escuridão à luz!".

Estadão
Publicidade
Publicidade