PUBLICIDADE

Mundo

Eliminação gradual de combustíveis fósseis está entre opções em negociação climática da COP28

5 dez 2023 - 09h11
Compartilhar
Exibir comentários

Os países que participam da conferência climática COP28 estão considerando a possibilidade de solicitar uma eliminação formal dos combustíveis fósseis como parte do acordo final da cúpula da Organização das Nações Unidas (ONU) para combater o aquecimento global, de acordo com um texto preliminar de negociação visto nesta terça-feira.

Pesquisas publicadas nesta terça-feira mostraram que as emissões globais de dióxido de carbono provenientes da queima de combustíveis fósseis devem atingir uma alta recorde este ano, agravando a mudança climática e alimentando condições climáticas extremas mais destrutivas.

O rascunho do que poderia ser o acordo final da COP28, publicado pelo órgão climático da ONU, dá início às negociações em torno do que é considerada a questão definidora da cúpula: se os países concordarão em acabar com o uso de combustíveis fósseis ou se lutarão para preservar um papel para eles.

No palco principal da COP28, executivos de várias grandes empresas de energia argumentaram a favor do petróleo e do gás e procuraram destacar suas credenciais favoráveis ao clima, como a redução do gás de efeito estufa metano.

"Somos grandes e podemos fazer grandes coisas. Podemos apresentar resultados e teremos que relatá-los muito em breve", disse o presidente da Petrobras, Jean Paul Prates, falando em inglês na conferência da ONU. "A transição energética só será válida se for uma transição justa", acrescentou.

O presidente-executivo da TotalEnergies, Patrick Pouyanne, afirmou que uma transição para se afastar do petróleo e do gás levaria muito tempo "portanto, precisamos absolutamente produzir petróleo e gás de uma maneira diferente, reduzindo as emissões. E nós podemos fazer isso, temos a tecnologia".

"É claro que isso tem um custo", disse ele, "mas faz parte de nossa licença para operar, eu diria, para o futuro".

Pelo menos 2.400 lobistas de combustíveis fósseis se registraram para a cúpula deste ano, de acordo com uma análise dos dados de registro da ONU publicada pela Kick Big Polluters Out, uma coalizão internacional de grupos de ativistas climáticos.

Os lobistas superaram em número os 1.609 delegados dos 10 países mais vulneráveis ao clima juntos, disse o grupo.

TEXTO DA NEGOCIAÇÃO

O texto preliminar para um acordo final da COP28 incluía três opções, que os delegados de quase 200 países irão considerar agora.

A primeira opção está listada como "uma eliminação gradual ordenada e justa dos combustíveis fósseis". No jargão da ONU, a palavra "justa" sugere que as nações ricas com um longo histórico de queima de combustíveis fósseis fariam a eliminação mais rapidamente do que os países mais pobres que estão desenvolvendo seus recursos agora.

A segunda opção pede "aceleração dos esforços para a eliminação gradual dos combustíveis fósseis sem interrupção". Uma terceira opção seria evitar mencionar a eliminação gradual dos combustíveis fósseis.

Estados Unidos, os 27 países da União Europeia e os pequenos Estados insulares vulneráveis ao clima estão pressionando para que a eliminação gradual dos combustíveis fósseis impulsione as profundas reduções de emissões de CO2 que, segundo os cientistas, são necessárias nesta década para evitar mudanças climáticas desastrosas.

Mesmo assim, nenhum dos principais países produtores de petróleo e gás do mundo tem planos de parar de perfurar para obter esses combustíveis, de acordo com o Net Zero Tracker, um consórcio de dados independente que inclui a Universidade de Oxford.

"Não estamos falando de fechar a torneira da noite para o dia", disse a enviada climática alemã Jennifer Morgan. "O que estamos vendo aqui é uma verdadeira batalha sobre o sistema de energia do futuro que vamos construir juntos."

Importantes produtores de petróleo e gás, incluindo a Arábia Saudita e a Rússia, resistiram a propostas anteriores de eliminação gradual.

O ministro da Energia da Arábia Saudita, príncipe Abdulaziz bin Salman, disse à Bloomberg TV que seu país "absolutamente não" concordaria com um pacto que exigisse uma redução gradual dos combustíveis fósseis.

David Waskow, diretor da iniciativa climática internacional do World Resources Institute, disse que não acredita que um resultado da COP28 seja possível sem um mandato claro para abandonar a dependência global de petróleo, gás e carvão.

"Não acho que sairemos de Dubai sem uma linguagem clara e uma direção clara para nos afastarmos dos combustíveis fósseis", acrescentou.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Publicidade