0

Americana é morta em Abu Dhabi por pessoa que usava burca

Crime aconteceu dentro do banheiro de um shopping; americana foi esfaqueada e polícia ainda não identificou a identidade do assassino

4 dez 2014
10h22
atualizado às 10h22
  • separator
  • comentários

Uma professora de 47 anos nascida na Europa e com cidadania americana foi esfaqueada e morta em um banheiro de um shopping na cidade de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, nesta segunda-feira. A pessoa (pois a polícia ainda não identificou ser um homem ou mulher)  que assassinou a mulher estava usando uma burca. As informações são do Daily Mail.

Americana foi morta em Abu Dhabi, onde dava aulas no jardim de infância
Americana foi morta em Abu Dhabi, onde dava aulas no jardim de infância
Foto: Facebook / Reprodução

Segundo a publicação, testemunhas disseram ouvir uma briga no banheiro e, em algum momento, uma das duas gritou “sente-se ou eu te mato”. Câmeras de segurança captaram imagens da pessoa com a burca entrando no shopping e caminhando em direção ao banheiro e apenas uma hora e meia depois, saiu do toalete calmamente em direção à garagem.

Polícia encontrou corpo da professora em poça de sangue no banheiro
Polícia encontrou corpo da professora em poça de sangue no banheiro
Foto: Daily Mail / Reprodução

A polícia encontrou a professora em uma poça de sangue. Ela identificada pelo governo americano por Ibolya Ryan, mãe de filhos gêmeos de 11 anos. Alguns agentes de segurança correram em direção à suposta assassina, mas não conseguiram capturá-la.

O caso está sendo investigado. De acordo com a publicação, ainda não se sabe as motivações para a suposta “briga” no banheiro – nem pelo assassinato. Mas, pela demora dentro do cômodo, parece se tratar de um crime planejado, sendo que Ryan já seria conhecida e se tornado alvo previsto.

A faca de cozinha usada para atingir a americana foi deixada no banheiro pelo assassino.

A embaixada dos Estados Unidos nos Emirados Árabes – que fica em Abu Dhabi – já haviam soltado um alerta para professores americanos no país, afirmando ser possível alvo para os jihadistas por seguirem a educação ocidental. Depois do assassinato de Ibolya, foi encaminhado mais um alerta. Apesar disso, não houve confirmação de ter sido algum ou alguma extremista a matar a professora.

O pai dos meninos, que era divorciado da americana, mora na Europa e já está em Abu Dhabi com os filhos.

Fonte: Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade