PUBLICIDADE

Dinamarca incinera 4 milhões de visons para conter cepas

No ano passado, o governo dinamarquês decidiu abater todos os 17 milhões de animais do país

28 mai 2021 16h35
| atualizado às 16h48
ver comentários
Publicidade
Dinamarca incinera 4 milhões de visons para conter mutações da Covid-19 
 28/5/2021   REUTERS/Tim Barsoe
Dinamarca incinera 4 milhões de visons para conter mutações da Covid-19 28/5/2021 REUTERS/Tim Barsoe
Foto: Reuters

A Dinamarca começou a incinerar nesta semana 4 milhões de visons que foram abatidos para conter cepas da covid-19, mas que começaram a emergir de covas coletivas, provocando novos temores de saúde.

No ano passado, o governo dinamarquês decidiu abater todos os 17 milhões de visons do país para conter uma variante porque foi considerado provável que o mamífero hospedaria mutações futuras.

Alguns foram enterrados em poços de uma área militar do oeste da Dinamarca sob dois metros de solo, mas parte deles voltou à superfície em menos de um mês.

Mais tarde, contaminantes foram encontrados sob as covas por meio de um exame realizado em nome da Agência de Proteção Ambiental Dinamarquesa, levando o governo a ordenar a incineração dos animais.

"Não deveria sobrar nenhum vírus, mas nós queimamos a mais de mil graus (Celsius), então, se sobrasse algum vírus, certamente desapareceria", disse Jacob Hartvig Simonsen, presidente-executivo da usina de gerenciamento de resíduos ARC.

Os contaminantes não tinham relação com o coronavírus, mas eram resultantes do processo de decomposição.

Os visons se infectam facilmente com covid-19, e a infecção é exacerbada porque eles são criados em grandes quantidades e mantidos em locais apertados, disse a Organização Mundial da Saúde (OMS).

Todos os 4 milhões de visons devem ser incinerados até meados de julho.

Assista também:

Megainfestação de ratos devasta fazendas na Austrália:
Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade