PUBLICIDADE

Moradores do Porto criticam relaxamento de regras contra Covid-19 para final da Liga dos Campeões

28 mai 2021 14h26
| atualizado às 14h35
ver comentários
Publicidade

Uma decisão de última hora de relaxar as regras de segurança contra a Covid-19 para a final da Liga dos Campeões no sábado no Porto revoltou os moradores da cidade portuguesa.

Homem caminha na Ponte Dom Luís I, no Porto, antes da final da Liga dos Campeões
28/05/2021 REUTERS/Pedro Nunes
Homem caminha na Ponte Dom Luís I, no Porto, antes da final da Liga dos Campeões 28/05/2021 REUTERS/Pedro Nunes
Foto: Reuters

A Uefa, entidade reguladora do futebol europeu, transferiu o confronto entre os times ingleses Manchester City e Chelsea de Istambul para Porto para permitir que torcedores da Inglaterra viajem para assistir a partida com restrições da Covid-19.

Alguns moradores do Porto temem um pico de infecções por causa da variante de coronavírus altamente contagiosa que se dissemina em partes da Inglaterra depois de ser identificada primeiramente na Índia.

Outros estão aborrecidos por torcedores estrangeiros poderem ir ao estádio enquanto os locais estão proibidos de assistir partidas há meses.

"Se eles abrirem (os estádios) para os ingleses, deveriam abrir para todos", opinou Alexandre Magalhães enquanto caminhava pela cidade, que estava repleta de torcedores.

Inicialmente, o governo de Portugal disse que os torcedores ingleses deveriam voar somente no dia do jogo, ficar em uma "bolha" e voltar para casa logo em seguida.

Mas na quinta-feira as autoridades descartaram a exigência de permanência em bolhas e suspenderam as restrições à circulação.

"Se estas (novas regras) forem verdadeiras, não obedecerei mais nenhum lockdown", escreveu um usuário do Twitter. Outro escreveu: "Isto é uma vergonha para qualquer um que continua obedecendo as regras de saúde".

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade