0

China anuncia cura de homem reinfectado por Covid-19

É o segundo caso em menos de uma semana no país

13 ago 2020
10h57
atualizado às 11h15
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A China anunciou que um homem que contraiu o novo coronavírus (Sars-CoV-2) por duas vezes foi curado, informou a agência de notícias estatal Xinhua nesta quinta-feira (13). O caso raríssimo está sendo estudado por cientistas do país.

Caso em Xangai reacendeu debate sobre reinfecção por coronavírus
Caso em Xangai reacendeu debate sobre reinfecção por coronavírus
Foto: EPA / Ansa

A nota divulgada pela Comissão Sanitária de Xangai diz que o paciente chegou na cidade no dia 9 de agosto vindo da província de Jilin, no nordeste chinês. No dia seguinte, ele foi para o hospital Zhongshan e testou positivo para a Covid-19, sem apresentar sintomas.

Como o caso era leve, ele foi internado para observação em um centro especializado em pacientes com o novo coronavírus, onde ficou isolado. As autoridades ainda fizeram uma desinfecção nos locais por onde ele tinha passado e exames em familiares e amigos, mas ninguém foi contaminado.

Ainda conforme a Xinhua, o homem havia contraído o Sars-CoV-2 pela primeira vez em abril deste ano, após uma viagem.

O anúncio do paciente ocorre um dia depois de outro caso, dessa vez na província de Hubei, onde uma mulher contraiu a doença novamente após ter a Covid-19 em janeiro.

Os casos de "reativação do vírus" são ainda um mistério para pesquisadores e cientistas em todo o mundo.

Há pesquisas que apontam que a imunidade do corpo de quem foi infectado pelo vírus diminui rapidamente com o passar do tempo, expondo a pessoa ao risco de uma nova contaminação. Já outras afirmam que o novo coronavírus continua ativo no corpo de alguns pacientes, deixando vestígios de partículas virais que não provocam mais infecção em outras pessoas.

No entanto, os especialistas não sabem dizer porque isso ocorre em apenas uma mínima parcela dos contaminados ao mundo. .
   

Veja também:

Como funcionam as eleições presidenciais nos EUA
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade