PUBLICIDADE

Mundo

Chanceler alemão diz que não é possível agir como de costume após resultado ruim das eleições da UE

10 jun 2024 - 15h54
Compartilhar
Exibir comentários

O resultado das eleições europeias foi ruim para todos os partidos da coalizão governista da Alemanha e eles não podem voltar a agir como de costume para reconquistar os eleitores, disse o chanceler Olaf Scholz nesta segunda-feira.

"Ninguém está aconselhado a simplesmente voltar a agir como de costume", disse Scholz em uma coletiva de imprensa em Berlim, acrescentando que os ganhos obtidos pelos partidos de extrema-direita são preocupantes e não devem ser normalizados.

"Temos que nos preocupar com isso. Nunca podemos nos acostumar com isso, e a tarefa é sempre fazê-los recuar novamente", disse ele.

Todos os três partidos da coalizão governista da Alemanha sofreram perdas nas eleições parlamentares da UE no domingo, enquanto o Alternativa para a Alemanha, de extrema-direita, obteve sólidos ganhos, de acordo com os resultados provisórios nesta segunda-feira.

Entre os parceiros da coalizão, os Verdes foram os que mais caíram, recuando de 20,5% em 2019 para 11,9%, o que representa um golpe antes das eleições nacionais do próximo ano. Os social-democratas de Scholz caíram de 15,8% para 13,9% e os democratas livres pró-negócios caíram de 5,4% para 5,2%.

Os conservadores ficaram em primeiro lugar, como esperado, com 30%, em comparação com 28,9% em 2019, enquanto o AfD ficou em segundo lugar com 15,9%, acima dos 11%.

Scholz disse ser a favor de uma decisão rápida sobre a liderança da UE, acrescentando que o presidente da Comissão Europeia deve contar com uma maioria democrática dos partidos democráticos tradicionais no Parlamento Europeu.

"Não há razão para demorar muito com isso", disse ele.

A chefe da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, começou a tentar formar uma coalizão nesta segunda-feira, conforme seu Partido Popular Europeu (PPE), de centro-direita, ganhou assentos.

Mas para garantir um segundo mandato de cinco anos, Von der Leyen precisa do apoio da maioria dos líderes nacionais da UE e de uma maioria funcional no Parlamento Europeu.

Os partidos da coalizão alemã rejeitaram a possibilidade de Von der Leyen entrar em contato com a primeira-ministra nacionalista da Itália, Giorgia Meloni, com quem ela tem trabalhado em estreita colaboração.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade