PUBLICIDADE

Baleia beluga recusa comida após se perder no rio Sena, na França

6 ago 2022 - 13h54
Ver comentários
Publicidade

As preocupações estão aumentando para uma baleia beluga que foi vista no rio Sena, na França, longe das águas frias do Ártico, depois de ela recusar comida e parecer magra, disse uma autoridade local neste sábado.

A beluga está nadando lentamente entre duas eclusas a cerca de 80 km (50 milhas) de Paris. Os veterinários avaliarão sua saúde antes de tomar uma decisão sobre como intervir.

As equipes de resgate, que não sabem se o mamífero de 4 metros não está comendo porque está com falta de energia ou está doente, tentaram alimentá-lo com trutas vivas.

"Não parecia muito interessado", disse Isabelle Dorliat-Pouzet, oficial do departamento de Eure, a repórteres.

A baleia se afastou de seu habitat natural, nadando 160 km acima do Sena, passando pelo porto de Rouen e em direção à capital francesa. Marcas estavam começando a aparecer em sua pele, um possível sinal de deterioração da saúde.

A beluga toda branca normalmente vive nos oceanos ártico e subártico, embora às vezes se aventure em águas mais ao sul e possa sobreviver por um curto período em água doce.

Em maio, uma orca doente separada de seu grupo morreu de causas naturais no Sena depois que as tentativas de guiá-la de volta ao mar falharam. Um mês depois, outra baleia, que se acredita ser uma Minke, foi vista no Sena.

Nenhuma decisão foi tomada sobre como devolver a beluga ao oceano, disse Dorliat-Pouzet.

Uma opção era tentar levá-la de volta para o mar aberto. Outra foi removê-la do rio e transportá-la, embora Dorliat-Pouzet tenha dito que não está claro se a baleia era forte o suficiente para uma operação tão perigosa.

Os veterinários primeiro tentarão injetar vitaminas.

"Poucas pessoas pensam que ela retornará 160 km ao mar por conta própria", acrescentou Dorliat-Pouzet.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade