3 eventos ao vivo

Atentado no Mali mata dois civis e fere soldados franceses

Cerca de 12 pessoas ficaram feridas no ataque de domingo, incluindo de quatro a oito soldados franceses de Barkhane.

1 jul 2018
12h30
atualizado às 13h16
  • separator
  • 0
  • comentários

Um ataque a uma patrulha militar no norte do Mali matou dois civis e feriu até oito soldados franceses no domingo, informou o Ministério da Defesa do Mali. 

O ataque aconteceu dois dias depois que militantes islâmicos mataram pelo menos seis pessoas em um ataque a um quartel-general militar na região central do Mali, um país onde as tropas francesas estão ajudando a combater os jihadistas em seus vastos desertos.

"Eu confirmo que um carro-bomba atingiu uma patrulha conjunta Barkhane/Malinesa", disse o porta-voz do Ministério da Defesa, Boubacar Diallo. Barkhane é o nome da força francesa de cerca de 4.000 homens distribuídos nas antigas colônias na região do Sahel.

Cerca de 12 pessoas ficaram feridas no ataque de domingo, incluindo de quatro a oito soldados franceses de Barkhane, disse Diallo.

O porta-voz do Exército da França, Patrik Steiger, confirmou que civis foram mortos em um ataque em Gao e que o Exército estava verificando o estado da patrulha francesa de 30 pessoas que foi atacada.

Ele disse que a explosão aconteceu perto de três veículos franceses.

Fotos postadas nas mídias sociais mostraram um veículo blindado em uma estrada arenosa cercado por fumaça negra. 

Ninguém assumiu a responsabilidade pelo ataque, que ocorreu um mês antes das eleições presidenciais marcadas para o final de julho. 

Mas a violência de militantes islâmicos proliferou nos últimos anos no Sahel, pouco povoado, com grupos ligados à Al Qaeda e ao Estado Islâmico usando o centro e o norte do Mali como plataforma de lançamento de ataques em toda a região.

Países ocidentais forneceram recursos significativos para uma força regional composta de soldados do Mali, Níger, Burkina Faso, Chade e Mauritânia combater jihadistas. Mas a chamada força do G5 foi prejudicada por atrasos na liberação do dinheiro e pela falta de coordenação entre os cinco países.

O presidente da França, Emmanuel Macron, que no ano passado se queixou de que o G5 estava demorando muito para se instalar, deve discutir na Mauritânia, na segunda-feira, a segurança na região.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade