1 evento ao vivo

Após 20 anos, Etiópia diz estar pronta para paz com Eritreia

Adis Abeba aceitou ceder território contestado ao país vizinho

6 jun 2018
20h54
atualizado às 21h04
  • separator
  • 0
  • comentários

Passados 20 anos do início da guerra de fronteira entre Etiópia e Eritreia, no "Chifre da África", Adis Abeba surpreendeu o mundo nesta quarta-feira (6) ao anunciar que quer a paz.

Guerra por área na fronteira entre Etiópia e Eritreia matou pelo menos 70 mil pessoas entre 1998 e 2000
Guerra por área na fronteira entre Etiópia e Eritreia matou pelo menos 70 mil pessoas entre 1998 e 2000
Foto: EPA / Ansa - Brasil

O governo etíope, chefiado desde abril pelo primeiro-ministro Abiy Ahmed, disse que aceita integralmente os termos do acordo assinado em 2000, na Argélia, mas que nunca havia entrado em vigor. A única condição é que Asmara também concorde com o tratado.

A vontade de voltar à normalidade nas relações entre os dois países havia sido expressada por Ahmed no dia de sua posse, em 2 de abril, para colocar fim a um conflito que muitos analistas africanos consideram o último resquício do período colonial.

Independente da Etiópia desde 1993, a Eritreia entrou em guerra com o país vizinho em 1998, pela posse da região de Badme, que ajudaria Asmara a conquistar sua independência econômica, mas representava para Adis Abeba um acesso ao Mar Vermelho.

Em dezembro de 2000, após a morte de 70 mil a 100 mil pessoas no conflito, o presidente eritreu, Isaias Afewerki (no poder até hoje), e o primeiro-ministro etíope, Meles Zenawi, firmaram um acordo de paz em Argel. A Etiópia, no entanto, mantém desde então uma presença militar em Badme, que foi recomendada à Eritreia por uma comissão internacional da ONU, em 2002.

A motivação por trás da decisão de Ahmed, segundo observadores locais, é sua vontade de estabilizar seu país, afetado por graves dificuldades econômicas, por uma pesada dívida externa e pela escassez de investimentos estrangeiros. Outro sinal disso é a recente revogação do estado de emergência que estava em vigor desde fevereiro, por causa dos protestos que derrubaram o premier Hailemariam Desalegn.

Adis Abeba aguarda agora o posicionamento da Eritreia, cujo governo é acusado de violações dos direitos humanos e provocou um êxodo que engrossaria a crise migratória no Mediterrâneo. Em 2018, dos 13.769 migrantes forçados que desembarcaram na Itália, 2.228 são eritreus, atrás apenas dos tunisianos (2.916) no ranking.

Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade