0

Pretória vive último dia de velório de Nelson Mandela

13 dez 2013
06h11
atualizado às 06h14
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

A capela ardente de Nelson Mandela abriu nesta sexta-feira pelo terceiro e último dia na sede do governo da África do Sul em Pretória, onde os cidadãos terão a última oportunidade de se despedir dele antes de sua mudança para Qunu, a aldeia onde será enterrado. Assim como nos dois dias anteriores, o cortejo fúnebre voltou a transportar o corpo de Mandela do Hospital Militar de Pretória até o edifício dos Union Buildings, a sede do Executivo sul-africano, escoltado por batedores da polícia.

Vários cidadãos, que já formavam filas quilométricas no começo da manhã, cumprimentaram com júbilo a passagem do cortejo fúnebre, que chegou à sede governamental por volta das 8h locais (4h de Brasília). Como nos outros dias do velório, o neto do ex-presidente, Mandla Mandela, esteve ao lado do caixão de seu avô durante todo o trajeto.

Segundo a tradição do ramo Thembu do povo xhosa, etnia da qual pertence o clã Mandela, um homem adulto da família deve acompanhar o corpo até o enterro. Uma banda militar voltou a executar o hino nacional pouco antes da chegada do carro fúnebre ao recinto governamental.

Em seguida, vários militares transferiram o caixão até o altar colocado no centro do pátio dos Union Buildings. Depois que as Forças de Segurança e os serviços de Emergências prestaram reverência ao caixão de Mandela, começou o desfile de cidadãos que, em profundo silêncio e em passos rápidos, deram adeus ao herói nacional.

O público terá hoje uma última oportunidade para se despedir do ícone da luta contra o "apartheid" até as 17h30 locais (13h30 de Brasília). Segundo as autoridades de Pretória, mais de 20 mil pessoas compareceram à capela ardente durante o dia de ontem. Um número ainda maior é esperado para hoje.

Os restos de Mandela serão transferidos amanhã para a aldeia de Qunu, onde o ex-presidente passou sua infância e desejou ser enterrado. Já no domingo, Nelson Mandela será sepultado em uma cerimônia que será assistida por milhares de pessoas.

Madiba, como é carinhosamente conhecido o ex-presidente na África do Sul, morreu há uma semana aos 95 anos em sua residência de Johanesburgo, após lutar contra problemas respiratórios.

Veja também:

China responderá a sanções dos EUA
EFE   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade