0

Líderes internacionais participam de funeral de Nelson Mandela em Qunu

15 dez 2013
04h06
atualizado às 05h29
  • separator
Princípe Charles participa do funeral de Nelson Mandela em Qunu
Princípe Charles participa do funeral de Nelson Mandela em Qunu
Foto: Reuters

Cerca de 5 mil pessoas, entre elas 20 líderes internacionais como o príncipe Charles, participam do funeral  de Nelson Mandela em Qunu. O corpo do ex-presidente sul-africano será enterrado neste domingo em seu povoado natal, no sudeste da África do Sul. O cortejo fúnebre, que saiu do aeroporto de Mthatha, chegou a Qunu escoltado por um numeroso comboio das forças de segurança e foi saudado por milhares de habitantes durante seu trajeto.

A dança e os cânticos de agradecimento a Mandela pararam de repente para se transformar em gritos quando o caixão, escoltado por soldados da Polícia Militar, tanques do Exército e dois helicópteros, passou na frente de quem esperava seu herói na entrada de Qunu.

A caminhonete preta que levava o caixão de Mandela envolvido na bandeira sul-africana se dirigiu depois com todo o séquito para a casa do ex-presidente na cidade. Moradores de Qunu e dos povoados próximos, assim como visitantes vindos de todos os pontos da África do Sul, agitaram bandeiras do país e do governante Congresso Nacional Africano (CNA) que foi liderado por Mandela.

Pouco antes de sua última viagem a Qunu, o falecido ex-presidente recebeu uma homenagem em Johanesburgo por parte do CNA na base aérea militar de Waterkloof, em Pretória, horas antes de fazer o voo outra vez ao lar de sua infância.

Mandela liderava o CNA quando em maio de 1994 jurou o cargo como primeiro presidente negro do país após as primeiras eleições livres da África do Sul. Nelson Mandela morreu no dia 5 de dezembro aos 95 anos rodeado de sua família em sua casa de Johanesburgo, após uma longa convalescença por problemas respiratórios.

Princípe Charles participa do funeral de Nelson Mandela em Qunu
Princípe Charles participa do funeral de Nelson Mandela em Qunu
Foto: Reuters

Veja também:

China responderá a sanções dos EUA
EFE   
publicidade