0

África do Sul precisou de Mandela em momento crítico, diz Zuma

15 dez 2013
07h58
atualizado às 07h59
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Jacob Zuma fala em cerimônia realizada em Qunu
Jacob Zuma fala em cerimônia realizada em Qunu
Foto: AFP

O presidente da África do Sul, Jacob Zuma, expressou neste domingo seu agradecimento a Nelson Mandela por ser e representar "o que toda uma nação necessitava em um momento tão crítico", na luta contra o regime racista do apartheid. Zuma pronunciou estas palavras durante seu discurso no funeral de Estado em honra ao ex-presidente realizado em Qunu, no sudeste da África do Sul, onde será enterrado.

O atual líder, que antes entoou uma canção política sobre a opressão, assegurou que a África do Sul vai continuar o caminho que Mandela trilhou aplicando as lições que ainda se extraem de "tão extraordinária vida". "Hoje termina uma maravilhosa jornada que começou há 95 anos após uma semana de dor para todos os sul-africanos, que não soubemos enfrentar a realidade, que era mortal", lamentou o chefe de Estado.

O que ocorreu durante os últimos dias - acrescentou -, nos quais milhares de pessoas foram à sede do governo sul-africano em Pretória, esperando até cinco horas na fila "só para passar um instante com ele", é uma mostra do que Mandela conseguiu em vida. "Quando as pessoas reconhecem o bem em uma pessoa, respondem da mesma forma. O povo só quis dizer uma palavra: obrigado", ressaltou Zuma.

Mas, embora seu "longo caminho rumo à liberdade tenha terminado, a viagem continua", a África do Sul "deve continuar seu legado", advertiu o presidente, que assegurou que promoverá os valores que caracterizaram Mandela "para construir o tipo de sociedade que ele queria".

Zuma lembrou suas palavras: "Não gosto da discriminação racial. Lutei contra ela durante toda minha vida, luto agora e o farei até o final dos meus dias". "Ofereceste esperança em lugar de desespero", e por isso "seguirei adiante para melhorar a qualidade de vida de todos e para dar um golpe decisivo contra o desemprego e a pobreza", acrescentou o líder, que no próximo ano concorrerá nas eleições gerais.

"Sentiremos saudades de seu sorriso, seu amor e sua liderança. Foste um ser humano extraordinário. Não diremos adeus porque você não se foi, viverá para sempre em nossos corações e em nossas mentes. Vá em paz, herói dos heróis", se despediu Zuma.

Veja também:

Explosão no Líbano: BBC visita epicentro do desastre no porto de Beirute
EFE   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade