0

África do Sul admite possível erro na escolha de intérprete para surdos

Ministra afirmou que a língua materna do intérprete, que não é surdo, é xhosa, e não inglês, e que ele perdeu a concentração durante a cerimônia

12 dez 2013
10h59
atualizado às 12h02
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Thamsanqa Dyantyi disse que sofreu um ataque de esquizofrenia durante o funeral
Thamsanqa Dyantyi disse que sofreu um ataque de esquizofrenia durante o funeral
Foto: AP

O governo sul-africano admitiu nesta quinta-feira que "cometeu um erro" ao permitir a escalação do intérprete de sinais que traduziu os discursos da cerimônia religiosa em memória de Nelson Mandela realizada na terça-feira.

A vice-ministra sul-africana de Mulheres, Crianças e Deficientes, Hendrietta Bogopane-Zulu, reconheceu a falha em entrevista à televisão pública SABC. A Federação de Surdos do país denunciou que o intérprete era falso.

Bogopane-Zulu disse que o governo está investigando por que o tradutor foi credenciado pela organização do ato e acrescentou que a companhia que o contratou "desapareceu no ar".

"Por razões de segurança, ele deveria de ter sido vetado mas tinha credenciamento", disse a vice-ministra.

Bogopane-Zulu afirmou, no entanto, que o intérprete frequentou uma escola para aprender a linguagem dos sinais, embora não seja um tradutor profissional.

"Perdeu a concentração. O inglês foi demais para ele", afirmou a ministra. A linguagem materna do intérprete é xhosa, um dos cerca de cem dialetos falados na África do Sul e o utilizado pela tribo de Mandela.

"Se sentiu aflito. Cometeu um erro? Sim", admitiu a vice-ministra, antes de frisar que seu país procura "melhorar a cada dia". A ministra explicou ainda que dois intérpretes deveriam se revezar a cada 20 minutos para manter a concentração.

"Não acho que como país tenhamos que dizer que deveríamos estar envergonhados", argumentou. A ministra pediu que ninguém ataque" o intérprete e afirmou que as "pessoas estão começando a perceber o que os surdos passam todos os dias".

Em declarações publicadas hoje no jornal local The Star, o intérprete, Thamsanqa Jantjie, 34 anos, disse que sofreu um episódio esquizofrênico durante o evento.

Jantjie contou que começou a escutar vozes em sua mente e a ter alucinações, o que o fez perder a concentração.

Veja também:

China responderá a sanções dos EUA
AFP Todos os direitos de reprodução e representação reservados. 
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade