PUBLICIDADE

Mundo

Advogados de Trump encerram etapa de julgamento sobre suborno sem convocá-lo para depor

21 mai 2024 - 12h03
Compartilhar
Exibir comentários

A equipe de defesa de Donald Trump encerrou etapa do julgamento sobre suborno, nesta terça-feira, sem chamar o ex-presidente dos Estados Unidos para depor.

Os advogados de Trump convocaram duas testemunhas em sua defesa. O juiz Juan Merchan disse que os jurados retornariam na próxima terça-feira para ouvir os argumentos finais, com as deliberações provavelmente começando no dia seguinte.

Os advogados de Trump pediram a Merchan que encerrasse o caso antes que ele chegasse ao júri, argumentando que ele se baseia no depoimento de uma testemunha, o ex-advogado de Trump Michael Cohen, que tem um histórico bem documentado de mentiras.

Essas moções de dispensa raramente são bem-sucedidas, e Merchan indicou na segunda-feira que estava inclinado a deixar que os jurados avaliassem a credibilidade de Cohen por si mesmos. Os promotores dizem que o depoimento dele é reforçado por outras provas.

Cohen, a última testemunha da acusação, encerrou seu depoimento na segunda-feira, abrindo caminho para os advogados de Trump apresentarem suas próprias testemunhas e provas.

O advogado Robert Costello, a segunda testemunha convocada pela defesa de Trump, testemunhou na segunda-feira que Cohen lhe disse que não tinha nenhuma informação incriminatória sobre Trump.

O comportamento de Costello no banco das testemunhas aparentemente irritou Merchan na segunda-feira. Costello voltou a depor nesta terça-feira, antes de a defesa encerrar sua etapa.

Trump é acusado de encobrir um pagamento de 130.000 dólares que comprou o silêncio da estrela pornô Stormy Daniels, que nas últimas semanas antes da eleição presidencial de 2016 estava vendendo sua história de um encontro sexual com o então candidato republicano.

Embora o pagamento em si não seja ilegal, Trump enfrenta 34 acusações de falsificação de registros comerciais para ocultar seu reembolso a Cohen, que inicialmente pagou pela transação.

Trump se declarou inocente e nega ter cometido qualquer delito. Ele diz que nunca teve relações sexuais com Daniels e tem classificado o julgamento como uma tentativa politicamente motivada de prejudicar seus esforços para retornar à Casa Branca na eleição de 5 de novembro deste ano.

Cohen testemunhou que conversou várias vezes com Trump sobre o pagamento a Daniels na reta final da campanha presidencial de 2016, quando Trump estava enfrentando várias acusações de má conduta sexual.

Ele disse que Trump temia que Daniels prejudicasse seu apelo junto ao eleitorado feminino se a história se tornasse pública. A equipe jurídica do ex-presidente diz que ele fez o pagamento para proteger sua família de constrangimentos.

Cohen admitiu no banco das testemunhas na segunda-feira que havia roubado dinheiro dos negócios de Trump, dizendo que estava com raiva por seu bônus ter sido cortado depois que ele lidou com o pagamento a Daniels.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
Publicidade
Seu Terra












Publicidade