PUBLICIDADE

Guilherme Mazieiro

Lula reduz participação das mulheres no governo para acomodar Centrão

Daniela Carneiro e Ana Moser foram 'rifadas' pelo presidente para que dois deputados assumissem suas pastas

6 set 2023 - 20h42
Compartilhar
Exibir comentários
Ana Moser e o presidente Lula
Ana Moser e o presidente Lula
Foto: Ricardo Stuckert/PR

Para acomodar os novos aliados PP e Republicanos no governo, o presidente Lula rifou mais uma mulher dos seus ministérios: Ana Moser. Ela é a segunda mulher a perder o cargo por conta da reforma ministerial de Lula. Em julho, Daniela Carneiro foi tirada do Turismo para que o deputado Celso Sabino (União Brasil-PA) assumisse, em uma acomodação com o União Brasil.

Atualmente, dos 38 ministérios (considerando o de Micro e Pequenas Empresas, cuja criação foi anunciada por Lula), apenas nove são ocupados por mulheres:

Saúde - Nisia Trindade

Planejamento e Orçamento - Simone Tebet

Gestão - Esther Dweck

Ciência e Tecnologia - Luciana Santos

Mulher - Cida Gonçalves

Meio Ambiente - Marina Silva

Povos Indigenas - Sonia Guajajara

Igualdade Racial - Anielle Franco

Cultura - Margareth Menezes

No lugar de Moser, será nomeado o deputado André Fufuca (PP-MA). O anúncio foi oficializado nesta quarta-feira, 6, pelo Palácio do Planalto.

Na dança das cadeiras, Márcio França deixará o Ministério de Portos e Aeroportos para o deputado Silvio Costa Filho (Republicanos-PE). França assumirá o novo Ministério de Micro e Pequenas Empresas, que será criado para abrir espaço político. Ao contrário de França que será realocado, Moser deve ficar sem pasta. Oficialmente, não há informações sobre qual função ela ocupará no governo.

Durante a campanha, Lula se recusou a firmar compromisso para que metade das pastas da Esplanada fossem ocupadas por mulheres.

“Não sou de assumir compromisso, de me comprometer a fazer metade, indicar religioso, indicar mulher, indicar negra, indicar homem”, disse durante debate na Band, em agosto. Ainda assim, na ocasião, o petista disse que trabalharia para aumentar a representatividade feminina.

Fonte: Guilherme Mazieiro Guilherme Mazieiro é repórter e cobre política em Brasília (DF). Já trabalhou nas redações de O Estado de S. Paulo, EPTV/Globo Campinas, UOL e The Intercept Brasil. Formado em jornalismo na Puc-Campinas, com especialização em Gestão Pública e Governo na Unicamp. As opiniões do colunista não representam a visão do Terra. 
Compartilhar
Publicidade
Publicidade