0

Mensalão impacta campanha em SP, diz coordenador de Dilma

Segundo Marinho, as consequências negativas ao PT de São Paulo são inegáveis e destacou que a oposição tem explorado o tema

28 set 2014
12h22
atualizado às 12h25
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p><span style="font-size: 15.1999998092651px;">Alexandre Padilha, candidato ao governo de São Paulo pelo PT, foi prejudicado por prisões de companheiros em caso do Mensalão</span></p>
Alexandre Padilha, candidato ao governo de São Paulo pelo PT, foi prejudicado por prisões de companheiros em caso do Mensalão
Foto: Débora Melo / Terra

O dirigente de campanha de Dilma Rousseff, Luiz Marinho, afirmou que as prisões dos petistas ligados ao escândalo mensalão prejudicaram a campanha do PT para o governo do estado de São Paulo, disputado por Alexandre Padilha, já que teve impacto muito negativo na imagem do partido. As informações são do Estadão.

Segundo Marinho, as consequências negativas ao PT de São Paulo são inegáveis e destacou que a oposição tem explorado o tema do mensalão em suas campanhas para atingir o nome de Padilha. O candidato tucano que disputa a reeleição no governo estadual, Geraldo Alckmin, por exemplo, explorou o tema na campanha na televisão.

Apesar do mau desempenho da campanha petista no estado paulista, o coordenador da campanha de Dilma acredita que o quadro poderá ser revertido. Ele espera que Padilha consiga, pelo menos, 20% dos votos. “O Padilha pode muito bem surpreender e dobrar sua votação. Em outros momentos aconteceu isso. Ninguém dizia que o Jaques Wagner ganharia a eleição na Bahia”, afirmou ao jornal.

Marinho também revelou que “é difícil saber o que aconteceu” sobre Padilha não ter conseguido consolidar o voto do leitor petista e ampliar o eleitorado.

Sobre as críticas feitas pelo PT em relação à proposta da presidenciável Marina Silva (PSB) de independência ao Banco Central, Luiz Marinho afirmou que “foi muito estranha a maneira como a candidatura da Marina introduziu” o tema. Além disso, acredita que Neca Setúbal não é a única responsável pela “encomenda do setor” banqueiro à proposta. “Ela nem é tão entendida do assunto assim”, disse. 

Veja também:

As novas armas de Trump para reverter baixa popularidade às vésperas da eleição
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade