PUBLICIDADE

Moro: CPMF está "fora de cogitação" em possível governo

Pré-candidato quis afastar polêmica criada após economista que ajudou com seu programa dizer que imposto deveria ser visto "sem preconceito"

13 jan 2022 17h21
| atualizado às 17h50
ver comentários
Publicidade

O ex-juiz e pré-candidato à Presidência da República, Sérgio Moro (Podemos) afirmou, nesta quinta-feira, 13, que a volta da CPMF e o aumento de impostos estão "fora de cogitação" caso ele seja eleito. Na mesma publicação, o candidato declarou que além dele próprio "apenas Affonso Pastore" responde por seu programa econômico.

A polêmica em torno da volta da CPMF surgiu após a informação de que o economista e professor Marcos Cintra estava colaborando com o plano econômico de Moro. Em entrevista ao portal UOL, o economista chegou a afirmar que a contribuição era "essencial em qualquer reforma tributária" e que deveria ser vista "sem preconceito". Posteriormente, Cintra voltou atrás e declarou que a taxação sobre movimentação financeira era "coisa do passado".

Ex-ministro Sérgio Moro, no lançamento do seu livro (Contra o Sistema da Corrupção) no Teatro Renaissance
Ex-ministro Sérgio Moro, no lançamento do seu livro (Contra o Sistema da Corrupção) no Teatro Renaissance
Foto: Roberto Sungi / Futura Press

Cintra é filiado ao PSL e atuou como secretário especial da Receita Federal no governo Bolsonaro. Em 2019, o economista foi demitido e, na época, Bolsonaro disse, em rede social, que Cintra pediu para sair do cargo por "divergências" sobre a reforma tributária - ele já defendia a criação de um tributo semelhante à CPMF.

A CPMF, ou Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira, começou a ser aplicada em 1997 e incidiu sobre todas as movimentações bancárias. A cobrança tinha como objetivo direcionar a arrecadação para a área da saúde e foi extinta em 2007, mas, de tempos em tempos, o tributo volta ao debate econômico.

Estadão
Publicidade
Publicidade