PUBLICIDADE

Unicamp: candidatos acham questões de exatas difíceis na 2ª fase

12 jan 2014 18h10
| atualizado às 18h22
ver comentários
Publicidade
As amigas Julia Guiachetto Rosa, 17 anos, e Isabela Della Torre, 16 anos, acharam as questões de exatas muito difíceis
As amigas Julia Guiachetto Rosa, 17 anos, e Isabela Della Torre, 16 anos, acharam as questões de exatas muito difíceis
Foto: Rose Mary de Souza / Especial para Terra

Uma chuva rápida de verão, com raios, trovões e muito vento, fechou o primeiro dia da segunda fase do vestibular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), na cidade. No prédio da Unip, no bairro Swift, muitos candidatos deixaram as salas de prova antes das 16h. O candidato a uma vaga no curso de Sistemas de Informação, Diego Barreira, não sabe se acertou a  maioria das questões e diz que vai esperar o resultado para tirar uma conclusão. Mesmo assim ele fez um balanço e foi enfático: "eu fui mal".

Segundo Barreira, a prova em si pode até ter sido fácil, já que os temas que vão cair são conhecidos. "Mas acho que eu devia estudar mais, agora é esperar para ver se deu certo", comentou na saída da prova.

As amigas Julia Guiachetto Rosa, 17 anos, e Isabela Della Torre, 16 anos, acharam as questões de exatas muito difíceis. Elas, que estudaram o ensino médio juntas, tentam Tecnologia de Controle Ambiental e não se consideram “adversárias”. "Achei Matemática muito, mas muito difícil”, afirmou Julia, cuja opinião é compartilhada com Isabela. 

Gabriela Simões, 16 anos, que prestou a prova como treineira, para adquirir exeperiência, disse que encontrou assuntos que não se lembrava de ter estudado e outros que acredita que ainda não estudou. "Eu sou treineira e acho que terei que estudar mais para quando for para valer. Terei que tentar relembrar o que aprendi e repassar todas as disciplinas", disse. Ela destacou que escolheu Ciência do Esporte por considerar que teria chance em chegar à segunda fase, fato que acertou.

O candidato Cristiano Pinheiro de Farias, 18 anos tenta Engenharia Civil e achou que as provas foram divididas em partes fáceis e outras difíceis. "Tem aquelas questões que é muito fácil, que eu acho que é para o candidato não zerar, enquanto que tem aquelas muito complicadas e poucos vão conseguir acertar", disse.

 Kelly Cristiane Gabriel de Almeida, 18 anos, tenta uma vaga em Medicina, carreira que teve mais de 70 candidatos por vaga na primeira fase. Ela sonha em seguir a área de geriatria e diz se sentir preparada para a bateria de provas que vai enfrentar até terça-feira. Agora na segunda fase ela vai disputar a vaga com 47 candidatos.  

A segunda fase da Unicamp conta com 15.760 candidatos que disputam 3.460 vagas em 69 cursos sendo dois da Faculdade Pública de Medicina de São José de Rio Preto (Famerp). Esse ano, a Unicamp registrou um recorde de inscritos, com 73.818 candidatos na sua primeira fase em novembro.

Fonte: Especial para Terra
Publicidade
Publicidade