PUBLICIDADE

A Revolução dos Bichos faz 70 anos e provoca reflexão atual

17 ago 2015 10h17
ver comentários
Publicidade
Uma das primeiras edições do livro no Brasil e a mais recente
Uma das primeiras edições do livro no Brasil e a mais recente
Foto: Divulgação

Instigado por um camarada, um grupo delibera sobre sua situação de exploração e decide expulsar aquele que consideram o culpado pela degradação de suas vidas. Poderia ser uma reunião de oposicionistas ou uma passeata de cidadãos insatisfeitos com seu líder em 2015, mas é o início da obra A Revolução dos Bichos, cuja primeira publicação completa 70 anos nesta segunda-feira (17).

Siga Terra Educação no Twitter
Siga Terra Notícias no Twitter

Se hoje há congressos onde já não se sabe mais quem é oposição e quem é situação, no clássico livro de George Orwell, não se pode mais distinguir homens de porcos, e oprimidos acabam virando opressores. Para o professor de Letras da Unisinos Claudio Zanini, a obra faz refletir o atual momento político brasileiro, onde “as afiliações partidárias não são tão rígidas e ocorrem conforme adaptação de interesses”.

A história se passa em uma granja onde os animais estão cansados da exploração do dono, o Sr. Jones. Estimulados pelo discurso de Porco Major, os animais fazem uma revolução e expulsam o Sr. Jones. Os suínos, considerados os animais mais inteligentes, passam a liderar a granja e disseminar a ideia de que todos os animais são iguais, mas “uns são mais iguais que outros”.

Depois de disputar o poder com outro suíno, o Porco Napoleão acaba liderando a granja de forma ditatorial. Os outros animais passam a trabalhar muito e têm a comida racionada. Por sua vez, os porcos levam uma vida confortável e abastada. Assim, vai se concretizando a chamada República dos Bichos.

Contudo, alguns animais começam a perceber que a vida estava pior do que antes da revolução, passam a questionar o novo sistema e, por isso, acabam sendo mortos. Com o tempo, os animais que viveram a época do Sr. Jones morrem, e os ideais da revolução se perdem. O livro acaba com os porcos andando sobre duas patas e se aliando definitivamente aos humanos. “As criaturas de fora olhavam de um porco para um homem, de um homem para um porco e de um porco para um homem outra vez; mas já se tornara impossível distinguir quem era homem, quem era porco”, encerra a fábula.

Por mais que uma história permita muitas interpretações (como ler hoje o discurso do Porco Major a respeito do domínio humano sobre os animais e não pensar na onda atual de veganismo?), o contexto da época em que viveu o autor e a sua biografia dão pistas sobre as reflexões que ele quis fomentar. A obra é vista como uma crítica severa ao stalinismo ou uma metáfora sobre o fracasso dos sistemas políticos.

Vida e obra
Nascido na Índia em 1903, Eric Arthur Blair, sob o pseudônimo de George Orwell, foi um jornalista e escritor conhecido pelo seu envolvimento com a política e sua crítica aos sistemas opressores. Além de A Revolução dos Bichos, outras obras famosas de Orwell são: 1884 e Dias na Birmânia. O autor morreu em 1950, na Inglaterra, vítima de uma tuberculose.

Para a maioria dos críticos, A Revolução dos Bichos é uma sátira à política de Josef Stalin, líder da União Soviética, que teria contrariado os princípios da Revolução Russa de 1917.

O professor de história contemporânea da Universidade Federal Fluminense Bernardo Kocher lembra que Orwell era militante socialista, filiado ao Partido Trabalhista Independente, e acredita que a obra marca a aproximação de Orwell com a direita da época. “No final da Segunda Guerra Mundial, a democracia foi sedutora para muitos escritores e intelectuais. George Orwell foi um deles”, afirma Kocher. Ele acredita que a obra serviu para desconstruir a ideia de comunismo e o que foi a Revolução Soviética.

O professor de Letras da Unisinos, Claudio Zanini, explica que o impacto do lançamento da obra foi grande. Tanto que George Orwell demorou para conseguir publicar. “A crítica ao stalinismo é muito forte, mas aparece de maneira disfarçada. Ele se protegeu muito com a fábula”, afirma Zanini.

Na metáfora, o velho Porco Major representaria o pensador alemão Karl Marx, pelos seus ideais de igualdade e insatisfação com a exploração imposta. O Porco Napoleão seria Stalin, ditador que traiu os princípios da revolução. O Sr. Jones, dono da granja, seria uma alusão aos czares e a Alexander Keresnky, que foram derrubados pelos revolucionários russos.

E hoje?
A pedagoga e professora da faculdade de Filosofia, Ciências e Letras da USP de Ribeirão Preto, Elaine Assolini, afirma que o livro é de extrema importância para pensar sobre o funcionamento de diversos tipos de governo, principalmente o autoritário. “A obra transcende o contexto do regime stalinista. A política continua sendo um espaço marcado pela persuasão e manipulação”, explica Elaine. Outros temas como corrupção, vaidade e sonho de poder também podem ser pensados a partir do clássico.

Kocher acredita que o comunismo é uma realidade fantasma que ainda aparece em uma guerra ideológica contemporânea e que o livro pode ser usado "para derrubar os argumentos de quem defende o comunismo".

Se “um clássico é um livro que nunca terminou de dizer aquilo que tinha para dizer”, como já disse o escritor italiano Ítalo Calvino, não há dúvidas de que estamos diante de um que ainda tem muito a nos ensinar.

 

Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra Cartola - Agência de Conteúdo - Especial para o Terra
Publicidade
Publicidade