0

MEC faz expurgo de seguidores de Olavo de carvalho

9 mar 2019
08h10
atualizado às 11h13
  • separator
  • comentários

A repercussão negativa do episódio da carta sobre o Hino Nacional enviada a escolas pelo ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, fez com que nomes ligados a Olavo de Carvalho fossem afastados da pasta. O objetivo, segundo fontes ouvidas pelo Estado, é "reorganizar a casa" e tirar o foco da questão ideológica. Olavo reagiu às mudanças e pediu, pelas redes sociais, que seus alunos deixassem o governo.

O filósofo Olavo de Carvalho
O filósofo Olavo de Carvalho
Foto: REPRODUÇÃO / Estadão Conteúdo

A medida foi decidida durante o Carnaval, depois que Vélez foi aconselhado por outros grupos que fazem parte do Ministério da Educação (MEC). O entendimento era de que o ministro, também indicado por Olavo, estava enfraquecido depois das polêmicas recentes. Entre os que defenderam as mudanças estão ex-integrantes das Faculdades de Tecnologia de São Paulo (Fatecs) e do Instituto de Tecnológico de Aeronáutica (ITA).

Considerado o "guru intelectual" de Jair Bolsonaro, Olavo de Carvalho passou a orientar na madrugada de ontem que seus alunos saíssem do governo. No Facebook, afirmou que a equipe de Bolsonaro está cheia de "inimigos" do próprio presidente e do povo. Segundo ele, "andar em companhia desses pústulas só é bom para quem seja como eles". "Não quero ver meus alunos tendo suas vidas destruídas no esforço vão de ajudar militares acovardados cujo maior sonho é tucanizar o governo para agradar à mídia."

Olavo também vem criticando o vice-presidente, general Hamilton Mourão. "O maior erro de minha vida de eleitor foi apoiar o general Mourão", escreveu na quarta. "Não cessarei de pedir desculpas por essa burrada." Na quinta-feira, quando questionado sobre as críticas, Mourão respondeu com um gesto de um beijo, feito com a mão.

O MEC não quis comentar os casos e informou apenas que as mudanças são uma decisão interna de remanejamento.

Um dos afastados é Silvio Grimaldo, aluno de Olavo, que trabalhava diretamente com o ministro, no gabinete, e teria influenciado Vélez em decisões com viés ideológico. Em seu perfil no Facebook, Grimaldo disse que recebeu uma ligação no carnaval informando que ele seria transferido para a Capes, "para enxugar gelo e 'fazer guerra cultural'". Segundo o post, "o mesmo destino fôra (sic) dado a outros funcionários ligados ao Olavo (apenas olavetes foram transferidos)". Disse ainda que não aceitou o outro cargo e pediu para ser exonerado.

Para ele, o "expurgo de alunos do Olavo de Carvalho do MEC é a maior traição dentro do governo Bolsonaro que se viu até agora". "Nem as trairagens do Mourão ou Bibiano (sic) chegaram a esse nível." Ele é mestrando na área de Filosofia da Educação da Universidade Estadual de Londrina.

Ontem à noite, Grimaldo voltou à rede social para defender a "Lava Jato da Educação", "idealizada e organizada pelos 'olavetes do gabinete'". Olavo também citou a iniciativa. "Tudo o que estão dizendo e fazendo contra os meus poucos alunos que têm cargos no governo é para bloquear a Lava Jato na Educação."

'Remanejamento'

A deputada Bia Kicis (PSL-DF), no entanto, afirmou que a mudança de servidores na pasta é um remanejamento interno justamente para potencializar a "Lava Jato da Educação". Ela esteve ontem com Vélez Rodríguez.

Murilo Resende, outro aluno de Olavo, que causou polêmica ao ser inicialmente nomeado para coordenar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), também estaria na lista de mudanças. Procurado, disse que não foi informado sobre eventual remanejamento. Após críticas de especialistas dizendo que ele não teria experiência para cuidar do Enem, Resende ficou em um cargo de assessor no MEC.

Algumas exonerações já foram publicadas no Diário Oficial, como a de Rodrigo Almeida Morais, que é secretário-geral do PSL em São Paulo e ligado ao deputado Eduardo Bolsonaro. Ele participou do grupo de transição na área da educação e estava em cargo de assessor do MEC.

O chefe de gabinete adjunto, coronel Ayrton Pereira Rippel, já foi exonerado, mas não foi divulgado se terá uma nova função. Eduardo Melo, que era subsecretário executivo, deve ir para a Fundação Roquette Pinto.

Hino

A ideia de divulgar a carta que pedia que o slogan de campanha de Bolsonaro fosse lido nas escolas e que as crianças fossem filmadas não foi compartilhada nem com gestores de mais altos cargos no MEC. A notícia foi antecipada pelo jornal O Estado de S. Paulo. O alto escalão do ministério soube pela imprensa da carta. A medida foi duramente criticada por educadores, juristas e até pelo movimento Escola sem Partido. O Ministério Público Federal pediu explicações de Vélez, acusado de desrespeitar 17 preceitos constitucionais e legais.

Vélez admitiu o erro e mandou novas cartas às escolas, mantendo apenas o pedido para que o Hino fosse executado. Especialistas deixaram claro que o MEC, até então, não havia apresentado propostas para atacar os reais problemas, como a baixa aprendizagem dos alunos. Depois da carta às escolas, o MEC, de fato, recebeu muitas gravações. No entanto, o material mostrava as condições precárias das escolas e não o Hino. O grande volume de vídeos recebidos teria sido avaliado como um indicativo da baixa popularidade de Vélez. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Estadão

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade