PUBLICIDADE

Vacinação começa às 17h desta segunda-feira, diz Pazuello

Ministro da Saúde contrariou Bolsonaro e defendeu uso de máscaras e distanciamento social para combater pandemia

18 jan 2021 08h02
| atualizado às 08h12
ver comentários
Publicidade

A vacinação nacional contra a covid-19 começará às 17h desta segunda-feira em todos os Estados após a distribuição de doses da CoronaVac, vacina do laboratório chinês Sinovac, que deverá ser concluída nesta tarde, disse o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello.

Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello
07/01/2021
REUTERS/Adriano Machado
Ministro da Saúde, Eduardo Pazuello 07/01/2021 REUTERS/Adriano Machado
Foto: Reuters

Em pronunciamento ao lado de governadores no galpão logístico do Ministério da Saúde no aeroporto internacional de Guarulhos, em São Paulo, Pazuello alertou que o início da vacinação nacional não desobriga a população de continuar a se prevenir da doença, com o uso de máscaras e o distanciamento social, medidas criticadas pelo presidente Jair Bolsonaro.

Na véspera, a vacinação começou no Brasil com os profissionais de saúde do Hospital das Clínicas, em São Paulo, com a presença do governador paulista, João Doria (PSDB), desafeto político de Bolsonaro e provável adversário dele nas eleições presidenciais de 2022.

A CoronaVac foi testada no Brasil pelo Butantan, que também importou as cerca de 6 milhões de doses da China, que agora dão a largada na vacinação no país, e já está envasando a vacina localmente. O instituto é vinculado ao governo de São Paulo.

O início da vacinação em São Paulo no domingo foi criticada por Pazuello no mesmo dia, e Doria rebateu as declarações do ministro, afirmando que ele deveria ter humildade e agradecer a São Paulo.

Inicialmente, Pazuello previa o início da vacinação no dia 20, mas acabou por atender pedido dos governadores que defenderam que ela começasse o mais rapidamente possível.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade