PUBLICIDADE

Vacina contra covid em crianças é segura, diz especialista

Microbiologista Luiz Almeida diz que efeitos adversos em crianças são mínimos. Anvisa vai autorizar uso da Pfizer em crianças de 5 a 11 anos

16 dez 2021 05h10
| atualizado às 07h20
ver comentários
Publicidade
Criança recebe dose da vacina contra Covid-19 CoronaVac em escola pública em Concón, no Chile
27/09/2021 REUTERS/Rodrigo Garrido
Criança recebe dose da vacina contra Covid-19 CoronaVac em escola pública em Concón, no Chile 27/09/2021 REUTERS/Rodrigo Garrido
Foto: Reuters

O microbiologista Luiz Almeida, PhD na área de genética de bactérias pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP), avaliou nesta quarta-feira (15), que a vacina contra a covid-19 para crianças é importante para a redução do número de casos graves e mortes causadas pela doença nessa faixa etária. O imunizante da fabricante Pfizer vai ser autorizado para crianças de 5 a 11 anos nesta quinta-feira (16), pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa). "Temos uma vacina com uma segurança muito alta para essa faixa etária", disse.

Segundo o especialista, e membro do Instituto Questão de Ciência (IQC), ao menos 2,4 mil crianças e adolescentes morreram da doença durante a pandemia no País. O número é maior do que todas as outras doenças cobertas pelo Plano Nacional de Imunização, como gripe, pneumonia, sarampo, rubéola, meningite, diarréia, entre tantas outras. "Pode parecer pouco quando a gente olha que teve mais de 600 mil mortos, mas é muito quando se trata de uma doença evitável", disse.

Ao Estadão, o especialista também falou sobre o efeito da vacina para a redução da transmissão do vírus e os desafios para o desenvolvimento de vacinas entre crianças.

Microbiologista Luiz Almeida, PhD na área de genética de bactérias pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP) e membro do Instituto Questão de Ciência (IQC); especialista afirma que vacina para covid-19 entre crianças é segura
Microbiologista Luiz Almeida, PhD na área de genética de bactérias pelo Instituto de Ciências Biomédicas da Universidade de São Paulo (USP) e membro do Instituto Questão de Ciência (IQC); especialista afirma que vacina para covid-19 entre crianças é segura
Foto: Divulgação IQC / Estadão

A autorização da Anvisa para a vacinação de crianças entre 5 a 11 anos é segura?

A vacinação entre crianças de 5 a 11 anos apresentou resultados absolutamente seguros. Alguns países da Europa e os Estados Unidos já liberaram a vacina da Pfizer nesta faixa etária. Há efeitos adversos, mas a incidência é muito pequena. Casos que apresentam efeitos adversos como a miocardite (inflamação no músculo do coração) se recuperaram em 2, 3 dias. E a miocardite também é causada pela própria covid de forma mais grave, então a vacina também acaba reduzindo as chances de um caso grave disso. Nenhum óbito foi registrado por conta da vacina, e isso é muito importante.

Qual a gravidade que o Sars-Cov-2 apresentou entre crianças neste período?

No Brasil, já morreram 2,4 mil crianças e adolescentes da covid. É um número pequeno quando você compara com 600 mil mortes da pandemia, mas estamos falando de uma doença evitável. Nenhuma outra doença evitável que tem vacina, como sarampo, influenza e outras, causou tantas mortes como a covid-19 entre crianças. A vacina da Pfizer apresenta 91% de eficácia contra a covid-19 nessa faixa etária. Vamos prevenir casos graves da doença.

Hoje, sem vacinação nessa faixa etária, as crianças acabam sendo os principais vetores de transmissão do vírus?

Não diria os principais porque temos mais adultos que crianças. Essa é uma conta difícil de fazer. Muitos adultos não estão vacinados. Mas as crianças sem vacina acabam sendo sim importantes vetores do vírus. Isso é importante porque as pesquisas indicam que a vacina diminui também a transmissão do vírus, não apenas a gravidade da doença

Quais dificuldades os fabricantes possuem para o desenvolvimento de vacinas para crianças?

As vacinas para crianças sempre são uma questão mais difícil para a ciência, por questões éticas. Não dá para fazer testes com tantas crianças como se faz com adultos. Isso é com qualquer vacina, não apenas com a da covid-19. Vacinas para crianças sempre aparecem depois das desenvolvidas para adultos porque primeiro é preciso esperar que ela se mostre segura entre esse público, para depois partir para crianças. Já temos uma ideia que quando reduzimos as doses para as crianças, a eficácia é maior. As pesquisas comprovam isso, e é o que é feito agora também. O mesmo vale para bebês. Hoje, a Pfizer realiza testes da vacina em bebês utilizando 0,1% da dose.

Estadão
Publicidade
Publicidade