0

Pico de pandemia na Itália pode ser nesta semana, diz OMS

Ritmo de evolução dos contágios vem desacelerando no país

25 mar 2020
10h38
atualizado às 10h45
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

Um representante da Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou nesta quarta-feira, 25, que o pico da pandemia do novo coronavírus (Sars-CoV-2) na Itália pode ocorrer ainda nesta semana.

Palácio Chigi, sede do governo, é iluminado com as cores da bandeira da Itália em homenagem a vítimas de coronavírus
Palácio Chigi, sede do governo, é iluminado com as cores da bandeira da Itália em homenagem a vítimas de coronavírus
Foto: ANSA / Ansa

A declaração chega depois de o país ter registrado um crescimento inferior a 10% no número de casos pelo segundo dia seguido, algo inédito desde o início da disseminação do vírus. Entre 23 e 24 de março, a quantidade de contágios subiu 8,2%, apenas 0,1 ponto percentual acima da cifra registrada no dia anterior.

"A desaceleração da velocidade de crescimento é um fator extremamente positivo. Em algumas regiões, acredito que estamos perto do ponto de queda da curva, então o pico poderia ser alcançado ainda nesta semana, para depois cair", disse o médico Ranieri Guerra, diretor-assistente da OMS, à Radio Capital, de Roma.

"Acredito que esta semana e os primeiros dias da próxima serão decisivos, porque serão os momentos em que as medidas tomadas pelo governo há 15 ou 20 dias devem surtir efeito", acrescentou.

Segundo Guerra, no entanto, a taxa de mortalidade deve "cair com alguns dias de atraso".

Entre 28 de fevereiro, quando a Defesa Civil passou a divulgar apenas um balanço diário, e 10 de março, os novos casos cresceram a uma taxa média de 25,1% ao dia na Itália. Agora esse índice é de 19,3%, número que vem caindo de forma consistente.

Apesar disso, o país registra mais de 600 mortes por dia desde 20 de março, o que pode ser explicado pelo elevado número de pacientes - 3.396, segundo a Defesa Civil - ainda internados na UTI. Até o momento, a Itália contabiliza 69.176 casos e 6.820 óbitos na pandemia.

Veja também:

Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade