PUBLICIDADE

Pacientes com covid na Índia sofrem com deficiência auditiva

Os sintomas foram associados por médicos indianos à variante delta, que já mostrou ser mais transmissível que as demais

9 jun 2021 09h26
| atualizado às 09h54
ver comentários
Publicidade

A variante do coronavírus que impulsiona a segunda onda de covid-19 devastadora na Índia é a mais infecciosa a surgir até agora. Os médicos agora querem saber se também é mais grave.

Mercado em Nova Délhi
 6/4/2021 REUTERS/Anushree Fadnavis
Mercado em Nova Délhi 6/4/2021 REUTERS/Anushree Fadnavis
Foto: Reuters

Deficiência auditiva, distúrbios gástricos graves e coágulos sanguíneos que levam à gangrena, sintomas não vistos normalmente em pacientes com covid, foram associados por médicos na Índia à chamada variante delta. Na Inglaterra e na Escócia, as primeiras evidências sugerem que a cepa - que agora também é dominante lá - carrega um risco maior de hospitalização.

Delta, também conhecido como B.1.617.2, se espalhou para mais de 60 países nos últimos seis meses e gerou restrições de viagens da Austrália para os EUA. Um aumento nas infecções, alimentado pela variante delta, forçou o Reino Unido a reconsiderar seus planos para reabrir no final deste mês, com um relatório local dizendo que pode ser adiado em duas semanas. Taxas mais altas de transmissão e uma redução na eficácia das vacinas tornaram a compreensão dos efeitos da cepa especialmente crítica.

"Precisamos de mais pesquisas científicas para analisar se essas novas apresentações clínicas estão ligadas à B.1.617 ou não", disse Abdul Ghafur, médico infectologista do Apollo Hospital em Chennai, a maior cidade do sul da Índia. Ghafur disse que está vendo mais pacientes da covid com diarreia agora do que na onda inicial da pandemia.

"No ano passado, pensamos que tínhamos aprendido sobre nosso novo inimigo, mas isso mudou", disse Ghafur. "Este vírus se tornou tão, tão imprevisível."

Dor de estômago, náuseas, vômitos, perda de apetite, perda de audição e dores nas articulações estão entre os sintomas que os pacientes da covid estão enfrentando, de acordo com seis médicos que tratam de pacientes em toda a Índia. As variantes beta e gama - detectadas pela primeira vez na África do Sul e no Brasil, respectivamente - mostraram pouca ou nenhuma evidência de desencadear sinais clínicos incomuns, de acordo com um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de New South Wales no mês passado.

Alguns pacientes desenvolvem microtrombos, ou pequenos coágulos sanguíneos, tão graves que levam o tecido afetado a morrer e desenvolver gangrena, disse Ganesh Manudhane, cardiologista de Mumbai, que tratou de oito pacientes com complicações trombóticas no Hospital Seven Hills durante os últimos dois meses. Duas amputações de dedos ou do pé foram registradas.

"Eu vi de três a quatro casos (de trombose) durante todo o ano passado, e agora é um paciente por semana", disse Manudhane.

A Índia relatou 18,6 milhões de casos de covid até agora em 2021, em comparação com 10,3 milhões no ano passado. A variante delta foi a "causa primária" por trás da segunda onda mais letal do país e é 50% mais contagiosa do que a cepa alfa que foi detectada pela primeira vez no Reino Unido, de acordo com um estudo recente de um painel do governo indiano.

O aumento de casos pode ter causado um aumento na frequência com que complicações raras de covid estão sendo observadas. Mesmo assim, Manudhane disse que está perplexo com os coágulos sanguíneos que vê em pacientes de todas as idades sem histórico de problemas relacionados à coagulação.

"Suspeitamos que pode ser por causa da nova variante do vírus", disse ele. Manudhane está coletando dados para estudar por que algumas pessoas desenvolvem coágulos e outras não.

Os médicos também estão descobrindo casos de formação de coágulos nos vasos sanguíneos que irrigam os intestinos, causando dor de estômago.

Alguns pacientes da covid também procuram atendimento médico para perda de audição, inchaço ao redor do pescoço e amigdalite severa, disse Hetal Marfatia, cirurgião de ouvido, nariz e garganta do King Edward Memorial Hospital, em Mumbai.

"Cada pessoa está apresentando sintomas diferentes" na segunda onda, disse ela.

As apresentações incomuns para delta e uma variante intimamente relacionada conhecida como kappa, cuja disseminação levou a um quarto bloqueio na cidade australiana de Melbourne, ainda estão sendo confirmadas, disse Raina MacIntyre, professora de biossegurança global da Universidade de New South Wales em Sydney. "Enquanto isso, é importante tomar nota disso e estar ciente de possíveis apresentações atípicas", disse ela.

O aspecto mais alarmante do atual surto na Índia é a rapidez com que o vírus está se espalhando, inclusive entre crianças, disse Chetan Mundada, pediatra do grupo de hospitais Yashoda em Hyderabad.

Ghafur disse que também estava vendo famílias inteiras com sintomas de covid, ao contrário do ano passado, quando apenas uma pessoa costumava se infectar. Isso reflete um aumento na transmissão domiciliar causada pela variante delta.

Casos de mucormicose - uma infecção fúngica oportunista rara - também têm aumentado na Índia. Ele havia infectado mais de 8,8 mil pacientes e sobreviventes da Covid até 22 de maio, forçando as autoridades locais de saúde a considerá-lo uma epidemia.

Mesmo com o surto na Índia começando a diminuir - as infecções diárias caíram para menos de um quarto depois do pico de 7 de maio -, a variante delta está gerando surtos em outros lugares, incluindo até agora paraísos de vírus como Taiwan, Cingapura e Vietnã, reforçando os pedidos de imunização em massa.

O político e cientista alemão Karl Lauterbach disse na terça-feira que a variante provavelmente também se tornará mais prevalente na Alemanha nos próximos meses. "Evitar isso completamente parece irreal para mim", disse ele no Twitter em alemão. "O fator decisivo é uma taxa de vacinação muito alta, que reduz a mortalidade".b

Mas com a emergência da variante delta e de outras que podem ser resistentes às vacinas, as empresas farmacêuticas estão sob pressão para ajustar os imunizantes existentes ou desenvolver novos.

"Novas vacinas devem ser preparadas com novas variantes em mente", disse Ghafur. "Não podemos nos antecipar ao vírus, mas pelo menos podemos acompanhá-lo."/BLOOMBERG

Estadão
Publicidade
Publicidade