OMS: vacinação na Europa está "inaceitavelmente lenta"

Só 10% da população da região já recebeu uma dose da vacina contra covid-19

1 abr 2021
10h27 atualizado às 11h30
0comentários
10h27 atualizado às 11h30
Publicidade

A distribuição de vacinas contra covid-19 da Europa está "inaceitavelmente lenta", disse o chefe europeu da Organização Mundial da Saúde (OMS) nesta quinta-feira, o que cria o receio de que atrasos na vacinação prolonguem a pandemia enquanto casos de variantes se disseminam.

Diretor da OMS para a Europa, Hans Kluge, em Moscou
23/09/2020 Sputnik/Alexander Astafyev/Pool via REUTERS
Diretor da OMS para a Europa, Hans Kluge, em Moscou 23/09/2020 Sputnik/Alexander Astafyev/Pool via REUTERS
Foto: Reuters

Só 10% da população da região já recebeu uma dose da vacina e 4% as duas doses, disse Hans Kluge.

"A distribuição destas vacinas está inaceitavelmente lenta", disse ele em um comunicado. "Precisamos acelerar o processo intensificando a fabricação, diminuindo barreiras para a administração de vacinas e usando todas as ampolas que temos em estoque, agora."

A Europa foi mais lenta do que o Reino Unido e os Estados Unidos não somente para encomendar vacinas de empresas no ano passado, mas para aprová-las. Mesmo depois de elas serem aprovadas pelo bloco, as taxas de vacinação europeias estão em grande parte atrás dos esforços britânicos e norte-americanos.

Kluge disse que as infecções novas da Europa estão aumentando em todas as faixas etárias, exceto entre pessoas de mais de 80 anos - um sinal de que as vacinações destinadas a grupos mais idosos estão funcionando, mas que a distribuição intermitente está deixando os mais jovens vulneráveis.

"Enquanto variantes preocupantes continuam a se disseminar e a pressão sobre os hospitais cresce, feriados religiosos estão provocando uma mobilidade crescente", disse a OMS em seu comunicado. "Acelerar a vacinação é crucial."

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Publicidade
Publicidade