0

Itália deve manter toque de recolher no Natal e Ano Novo

Medida está em vigor desde 5 de novembro

30 nov 2020
07h56
atualizado às 10h06
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator

O ministro da Saúde da Itália, Roberto Speranza, indicou neste domingo (29) que o governo deve manter o toque de recolher noturno durante as festas de fim de ano para evitar um recrudescimento da pandemia do novo coronavírus.

Pichação contra toque de recolher em Milão, norte da Itália
Pichação contra toque de recolher em Milão, norte da Itália
Foto: ANSA / Ansa

A medida está em vigor desde 5 de novembro e proíbe deslocamentos entre 22h e 5h da manhã do dia seguinte, a não ser por "comprovados motivos de trabalho, necessidade ou saúde". Em entrevista à emissora Mediaset, Speranza defendeu a extensão da restrição.

"Acredito que sim", respondeu o ministro ao ser questionado pela apresentadora Barbara D'Urso se o toque de recolher valerá também no Natal e no Réveillon. "É uma norma já vigente, e acredito que deve ser confirmada mais uma vez. É uma das regras que nos permitiu iniciar um percurso gradual e cansativo para achatar a curva", acrescentou.

Nos últimos dias, a extrema direita italiana atacou o ministro das Relações Regionais, Francesco Boccia, após ele ter dito que não seria uma heresia realizar a missa do galo, tradicionalmente celebrada à meia-noite de 24 para 25 de dezembro, duas horas mais cedo.

Para partidos ultraconservadores, Boccia quer "decidir a hora do nascimento de Jesus". Em sua entrevista à Mediaset, Speranza deixou claro que o toque de recolher, se estiver em vigor, também valerá para a missa de Natal. "Deve ser respeitado por todos. Se tem um toque de recolher, tem um toque de recolher", disse.

A Itália tem atualmente cerca de 1,6 milhão de casos e 54,9 mil mortes na pandemia, mas a "segunda onda" vem dando sinais de desaceleração por causa das medidas restritivas.  

Veja também:

Coronavírus, 1 ano depois: de 'pneumonia desconhecida' a quase 2 milhões de mortos
Ansa - Brasil   
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade