China condena jornalista que cobriu pandemia em Wuhan

Zhang Zhan publicou notícias sobre situação caótica em hospitais

28 dez 2020
08h20 atualizado às 09h24
0comentários
08h20 atualizado às 09h24
Publicidade

Um tribunal de Xangai condenou nesta segunda-feira (28) a quatro anos de prisão a jornalista independente Zhang Zhan por conta da cobertura da repórter durante o início da pandemia de Covid-19 na cidade de Wuhan, considerado o marco zero da crise sanitária.

China condenou jornalista independente por noticiar situação dos hospitais em Wuhan
China condenou jornalista independente por noticiar situação dos hospitais em Wuhan
Foto: EPA / Ansa

Segundo a sentença, a ex-advogada foi considerada culpada por ter "recolhido litígios e provocados problemas" na notificação dos fatos iniciais da pandemia quando, na cidade chinesa, se falava ainda de uma "pneumonia misteriosa".

Zhang chamou a atenção das autoridades por informar nas redes sociais sobre a situação caótica dos hospitais de Wuhan ainda em fevereiro. Segundo a jornalista, à época dos fatos, o "governo não forneceu informações suficientes às pessoas, simplesmente bloqueando a cidade". "Isso é uma grande violação dos direitos humanos", acusou.

O controle rígido do fluxo de informações pelo governo de Pequim durante a crise do coronavírus Sars-CoV-2 foi constante e permitiu que pouquíssimas informações sobre a situação real das cidades fosse divulgado de maneira independente.

A condenação ocorre poucas semanas depois da chegada de uma equipe de especialistas da Organização Mundial da Saúde (OMS) que investiga as origens da Covid-19 e se a China ocultou informações importantes logo no início da crise sanitária.

"Zhang Zhan parecia devastada na leitura da sentença", disse Ren Quanniu, um dos advogados de defesa da repórter. A chinesa tem condições de saúde preocupantes por conta de uma greve de fome iniciada em junho desse ano e que fez com que ele fosse alimentada de maneira forçada por uma sonda.

A jornalista é a primeira de quatro profissionais chineses - Chen Qiushi, Fang Bin e Li Zehua - que foi condenada por conta da divulgação de notícias sobre a Covid-19 de maneira independente. Todos os outros três também estão presos. .
   

Ansa - Brasil   
Publicidade
Publicidade