12 eventos ao vivo

Fumaça afeta voos e lota hospitais em cidades amazônicas

Nas regiões tomadas pela poluição atmosférica, idosos e crianças são os mais prejudicados. A neblina também tem atrapalhado a navegação

23 ago 2019
03h11
atualizado às 08h14
  • separator
  • 0
  • comentários

O apartamento do adesivador Leonardo Alves, de 26 anos, tem amanhecido cheio de fuligem vinda das queimadas no Estado, recordista em focos de incêndio no País este ano. "Amanhecemos e não conseguimos respirar direito", conta ele, que teve de levar o filho de 1 ano e 3 meses ao posto de saúde nesta quinta-feira (22). Nas regiões tomadas pela poluição atmosférica, idosos e crianças são os mais prejudicados. A neblina também tem atrapalhado a navegação de barcos e levado ao cancelamento de voos.

De 1.º de janeiro até esta quarta-feira, 21, o Brasil registrou 75,3 mil focos de incêndio, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) - 14 mil deles em Mato Grosso. O total no País já é 84% maior do que no mesmo período do ano passado.

Queimadas na Amazônia, 60% acima da média dos últimos 3 anos, estão ligadas a desmatamento
Queimadas na Amazônia, 60% acima da média dos últimos 3 anos, estão ligadas a desmatamento
Foto: ANTONIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL - 28/11/2013 / Estadão Conteúdo

A dona de casa Raimunda Costa também viu em casa os efeitos da fumaça que vem dos incêndios na saúde, principalmente no Parque Nacional da Chapada dos Guimarães, que em nove dias perdeu 13% da sua área de 326 km². "Nesta quarta, meu neto de 6 anos começou a passar mal e ficou sem respiração, com falta de ar", relata. O médico disse a Raimunda que o garoto, que tem rinite alérgica, não pode ter contato com poeira nem fumaça. "Como, se Cuiabá amanhece e anoitece coberta de poeira?"

As queimadas de matéria vegetal liberam, principalmente, monóxido de carbono (CO) e matéria particulada (fuligem), que têm efeitos diretos no organismo humano. Essas substância provocam tosse, cansaço, ardência nas orelhas, nariz, dificuldade de respirar. Os impactos podem ser ainda mais graves em crianças, idosos e em pessoas com doenças pulmonares e cardiovasculares.

No Acre, o governo informa que somente este ano ocorreram quase 30 mil atendimentos ambulatoriais por doenças respiratórias no Estado. Em cidades como Rio Branco e Sena Madureira, os índices de concentração de material particulado já estão bem acima do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), conforme o governo. Para a entidade, o limite é de 25 microgramas por m³. Em algumas cidades foram medidas concentrações de 170 microgramas por m³.

Em Rondônia, o registro de internações por problemas respiratórios como pneumonia, tosse e secreção praticamente triplicou. No Hospital Estadual Infantil Cosme e Damião, em Porto Velho, a média de atendimentos era de 130 crianças nos primeiros dez dias de agosto, mas até a última semana subiu para mais de 350 casos com problemas respiratórios.

A Delegacia Fluvial de Porto Velho recomendou também mais atenção a todas as embarcações que navegam pelo Rio Madeira. Além da estiagem, que leva à formação de bancos de areia no percurso, a fumaça atrapalha a visibilidade. "Está muito difícil navegar durante o dia. Já teve passeio de barco cancelado por causa da fumaça", comenta o navegador Valmir Lopes Pinto. "Com o rio baixo, é perigoso não enxergar um banco de areia e encalhar, sofrer um acidente. É difícil e perigoso até mesmo para uma embarcação pequena, para transportar produtos dos agricultores."

A fumaça também prejudica a visibilidade aérea. Segundo a Infraero, dois voos foram cancelados na última semana por isso no Aeroporto Internacional Jorge Teixeira.

Brigadas florestais

No Amazonas, foram formadas brigadas florestais nas áreas urbana e rural de Manaus para conter o recente avanço do fogo pela floresta. "Todos estão trabalhando para a população se sentir segura, mas depende muito da conscientização popular para que não aumente ou não se alastre muito mais essas queimadas", explica o major Américo Norte, comandante do Batalhão de Incêndio Florestal e Meio Ambiente do Corpo de Bombeiros. / GIOVANA GIRARDI, QUÉTILA RUZ, PRISCILA ASSIS e FÁTIMA LESSA, ESPECIAIS PARA O ESTADO

Veja também:

 

Estadão
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade