0

Religiosos vivem mais, diz estudo norte-americano

Índice de mortalidade reduz 40% entre os que possuem uma crença

10 jan 2018
13h58
  • separator
  • comentários

Frequentar ambientes religiosos ajuda a viver mais, de acordo com uma pesquisa publicada pela "Public Library of Science" (Plos). Pesquisadores da Emory Rollins School de Saúde Pública recrutaram 18,3 mil norte-americanos na faixa dos 50 anos para participar de um estudo sobre o impacto da religião nos índices de mortalidade. Os estudos foram realizados por 10 anos, entre 2004 e 2014. Os resultados, revelados em dezembro de 2017, demonstram que, quem frequentou cultos religiosos pelo menos uma vez na semana, possuía um risco de mortalidade inferior a 40%, em detrimento àqueles que não haviam participado das cerimônias. Os dados ainda mostram que os frequentadores mais assíduos tinham menos chance de fumar ou ingerir bebidas alcoólicas, e eram mais propensos a agendar consultas médicas e fazer atividade física. De acordo com os pesquisadores, o tipo de crença não altera os resultados. "A religiosidade ativa é uma marca que caracteriza uma população que há menor risco de morte, em virtude de diversos fatores de proteção, como melhor estilo de vida e maior propensão a relações sociais", explicou Raffaele Antonelli, professor de Medicina pela Universidade de Roma. "O espírito religioso se associa, geralmente, a uma atitude mental positiva, que 'protege' de doenças. Por isso, a religiosidade protege de depressão, consequentemente associada a outras doenças e até a morte", disse o médico.

Ansa - Brasil   

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade