0

Rei Ricardo III foi sepultado às pressas, indica estudo

24 mai 2013
14h19
atualizado às 14h21
  • separator
  • 0
  • comentários

Cientistas da Universidade de Leicester, na Inglaterra, que descobriram a ossada do rei Ricardo III, publicaram nesta quinta-feira o primeiro artigo acadêmico sobre o estudo do corpo do monarca. Segundo os pesquisadores, a sepultura foi mal preparada - o que sugere que ele foi enterrado às pressas. Além disso, Ricardo III foi enterrado com "mínima reverência", em uma "estranha posição" e há evidências de que suas mãos estavam amarradas.

O modo como o esqueleto foi encontrado sugere que o rei estava amarrado quando foi enterrado. Os cientistas informaram que houve muito dano aos ossos e que o esqueleto possuía "uma constituição esguia incomum, quase feminina"
O modo como o esqueleto foi encontrado sugere que o rei estava amarrado quando foi enterrado. Os cientistas informaram que houve muito dano aos ossos e que o esqueleto possuía "uma constituição esguia incomum, quase feminina"
Foto: Reuters

O estudo, divulgado na publicação especializada Antiquity, foi conduzido por uma série de cientistas liderados pelo arqueólogo Richard Buckley. A análise completa de DNA da ossada será divulgada em outros artigos, afirma a universidade britânica.

Os especialistas realizaram datação por carbono, testes de DNA e exames de raio-x para determinar a veracidade da descoberta. Eles também compararam as observações que fizeram com informações repassadas por especialistas em armas e traumas, além de pesquisadores do estilo de vida e dieta medievais.

Ricardo III foi rei da Inglaterra entre 1483 e 1485. Os arqueólogos exploraram durante várias semanas um estacionamento onde estaria a capela com o esqueleto do monarca, falecido na batalha de Bosworth. Sua morte pôs fim à Guerra das Duas Rosas, entre a casa de York e os Plantageneta. A capela foi destruída no século XVI e desde então se desconhecia sua localização exata.

Reconstituição revela como era o rosto do rei Ricardo III

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade