1 evento ao vivo

Estudo comprova autenticidade do controverso Evangelho de Judas

Texto sugere que foi Jesus quem pediu para que Judas, seu amigo, o traísse

9 abr 2013
14h15
atualizado às 16h13
  • separator
  • comentários

Um cientista que ajudou a verificar a autenticidade do controverso Evangelho de Judas revelou na segunda-feira que um antigo certificado de casamento egípcio teve um papel fundamental na confirmação da veracidade das tintas utilizadas no texto apócrifo. A descoberta, que expõe os intensos esforços destinados a validar o evangelho, foi exposta ontem em um encontro da Sociedade Química dos Estados Unidos em Nova Orleans.

Texto apócrifo afirma que apóstolo não traiu Cristo; autenticidade da tinta foi comprovada
Texto apócrifo afirma que apóstolo não traiu Cristo; autenticidade da tinta foi comprovada
Foto: AP

Existe alguma evidência de que Jesus era casado?

"Se não tivéssemos encontrado um estudo do (Museu do) Louvre sobre contratos de casamento e aquisição de terras no Egito, que eram do mesmo período e continham tinta similar à utilizada no Evangelho de Judas, teria sido muito mais difícil discernir se o evangelho é autêntico ou não", afirmou  Joseph G. Barabe, um dos responsáveis pelo projeto. Ele coordenou uma equipe de cinco cientistas que trabalharam no projeto fazendo análises microscópicas. "Esse estudo foi a peça-chave de evidência que nos convenceu de que a tinta do evangelho é provavelmente verdadeira."

Essa pesquisa é parte de um esforço multidisciplinar organizado em 2006 pela Sociedade Geográfica Nacional americana para autenticar o Evangelho de Judas, descoberto no final da década de 1970, após 1,7 mil anos escondido. O texto, escrito na antiga língua egípcia copta, é polêmico porque, ao contrário de outras fontes bíblicas que retratam Judas Iscariotes como um traidor, sugere que foi Jesus quem pediu para que Judas, seu amigo, o traísse perante as autoridades.

INFOGRÁFICO

Histórico x Mitológico:
relembre questões controversas sobre a vida de Jesus

Terra

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade
publicidade