0

Gripe suína não é motivo para pânico, dizem especialistas

29 abr 2009
20h33
atualizado às 20h36

Especialistas brasileiros em infectologia trataram de acalmar os ânimos das pessoas que temem ser contagiadas pelo H1N1, conhecido como vírus da gripe suína, depois que o Ministério da Saúde confirmou nesta quarta-feira que existem dois casos suspeitos no Brasil e 36 pessoas estão sendo monitoradas. "Não se sabe se as mortes no México (país mais afetado) foram realmente causadas pela doença. É preciso ter calma porque nem todo mundo que volta do México vai ter gripe suína, e nem todo mundo que tiver gripe suína vai morrer", afirmou Marianne Monteiro, do setor de Doenças Infecto-Parasitárias (DIP) do Hospital Universitário Pedro Ernesto (Hupe) da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj).De acordo com ela, ainda há muito o que se estudar sobre o assunto. O tempo de incubação do vírus é de três a 10 dias, "ou seja, é uma gripe com características comuns a outras". O diferencial é o fato de provocar febre repentina e muito alta, chegando a 39°C, além de dificuldade respiratória", disse a médica.

Pessoas recém-chegadas do México, e as que tiveram contato com elas ou apresentaram estes sintomas, devem procurar um médico, "pois não são todos que desenvolvem a doença". Segundo a especialista, "alguns não apresentam os sintomas, mas transmitem o vírus".

Para Esper Georges Kallás, médico da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP), onde é chefe do Laboratório de Imunologia, até o momento a doença parece não poder causar um impacto mundial irreversível. "Ela possui o comportamento de um vírus da gripe comum. Não há motivo para pânico desde que as pessoas tenham acesso à informação, como conhecimento de sintomas e prevenção", afirmou durante entrevista ao chat do terratv.

No entanto, é preciso atenção porque o H1N1 não é o mesmo que foi identificado em epidemias anteriores, como as de gripe espanhola ou asiática. "O vírus muda a cada ano. A gente nao consegue ficar totalmente imune porque ele consegue driblar o sistema de defesa do nosso organismo", analisou. "A gripe é diferente do sarampo que você pega uma vez e nunca mais vai ter", destacou.

O especialista acredita que crianças, idosos e pessoas com efisemas pulmonares estão mais vulneráveis à gripe suína. "Pessoas mais frágeis podem desenvolver um quadro de gripe mais agressivo", completou.

Gripe Suína
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a gripe suína é causada por uma variante do vírus influenza tipo A, que porta a designação H1N1. O órgão aumentou o nível de alerta para cinco (pandemia iminente) em uma escala que vai até seis. O temor é de que nova mutação torne os humanos incapazes de combater a doença, por falta de anticorpos.

O vírus já teria matado mais de 152 pessoas no México, onde cerca de 2 mil pessoas estão infectadas. Nos EUA, até o momento foram confirmados 64 casos de pessoas com gripe suína e uma pessoa morreu.

Com informações do terratv e O Dia

Fonte: Redação Terra
publicidade