1 evento ao vivo

Estresse de humanos contagia cães, afirma estudo

A personalidade do dono afeta as concentrações do hormônio cortisol no seu cachorro. Agora, cientistas querem estudar como funciona esse mecanismo e se efeito ocorre também com outros tipos de animais de estimação.

6 jun 2019
14h33
atualizado em 7/6/2019 às 11h03
  • separator
  • comentários

Pense no seu cãozinho de estimação quando estiver se sentindo estressado. Não que ele vá necessariamente aliviar sua rotina, mas porque ele pode estar sofrendo tanto quanto você.

A personalidade do dono afeta as concentrações do hormônio cortisol no seu cachorro
A personalidade do dono afeta as concentrações do hormônio cortisol no seu cachorro
Foto: Getty Images / BBC News Brasil

Um estudo realizado por cientistas da Universidade de Linköping, na Suécia, constatou que donos de animais de estimação estressados "passam" esse estado para seus cães.

A pesquisa acaba de ser publicada pelo periódico Scientific Reports.

A descoberta baseou-se em análise da presença de cortisol, conhecido como o hormônio do estresse, no organismo das pessoas e de seus pets.

"Cães e seus donos sincronizam seus níveis de estresse a longo prazo", resume a bióloga Lina Roth, uma das autores da pesquisa, em conversa com a BBC News Brasil.

"A personalidade do dono afeta as concentrações de cortisol nos pelos dos cães. Já a personalidade própria de cada cão mostrou ter pouco efeito sobre o nível de estresse."

Sim, parece que mais um efeito colateral do milenar processo de domesticação dos cães, levando-os a se tornarem seres dependentes dos humanos, foi isso: o bicho acabou também descobrindo o que é estresse.

"Não encontramos nenhum grande efeito da personalidade do cão no estresse de longo prazo. A personalidade do dono, por outro lado, teve forte efeito. Isso nos leva a concluir que o cão espelha o estresse de seu dono", afirma Roth.

Como foi feito o estudo

O estudo analisou 58 cães - 25 da raça border collie e 33 pastores de shetland - e suas donas - todas mulheres. "Cortamos amostras de cabelo das proprietárias e dos pelos de seus cães em duas ocasiões diferentes. E analisamos a concentração de cortisol", explica Roth.

"À medida que o pelo cresce, o cortisol da corrente sanguínea é gradualmente incorporado. Isso forma uma espécie de calendário retrospectivo dos níveis de cortisol. Portanto, a partir de amostras de cabelo, conseguimos analisar os níveis de estresse ao longo de meses."

A pesquisadora Lina Roth, da Universidade Linkoping, estuda a relação entre cães e seus donos
A pesquisadora Lina Roth, da Universidade Linkoping, estuda a relação entre cães e seus donos
Foto: Lina Roth / BBC News Brasil

A bióloga conta que as proprietárias dos cães também foram convidadas a responder um longo questionário com perguntas da personalidade - tanto delas, quanto de seus cães.

Como já havia sido demonstrando por estudos anteriores que indivíduos da mesma espécie podem espelhar estados emocionais uns dos outros - por exemplo, crianças que incorporam a personalidade estressada de seus pais -, os pesquisadores queriam descobrir se o mesmo ocorria com animais com os quais humanos têm forte relação.

"Descobrimos que os níveis de cortisol a longo prazo no cão e em seu dono foram sincronizados, de modo que os proprietários com altos níveis de cortisol têm cães com altos níveis de cortisol, enquanto os proprietários com baixos níveis de cortisol têm cães com baixos níveis", comenta a bióloga e etóloga Ann-Sofie Sundman, também autora do estudo.

Como a atividade física também pode aumentar o nível de cortisol em humanos, havia a suspeita de que o mesmo pudesse interferir no efeito analisado nos cães. Então, foram selecionados cães mais sedentários - aqueles que servem apenas como companhia - e outros que competem em provas de agilidade e corrida.

As atividades físicas desempenhadas pelos cães durante o período da pesquisa também foram monitoradas.

Concluiu-se que a atividade física dos cães não afeta os níveis de cortisol. Por outro lado, concluiu-se que os cães competidores parecem estar mais sincronizados com seus donos. Especula-se que isso seja resultado de maior interação - em treinamentos e competições.

"Nós ainda não sabemos o mecanismo por trás da sincronização, uma vez que o que observamos foram correlações", explica Roth. "Mas descobrimos que cães competidores mostram uma correlação mais forte do que cães de estimação."

Quais são os próximos passos?

Os pesquisadores acreditam que sejam necessários novos estudos para compreender melhor as explicações dessa relação, bem como se o mesmo pode ser aplicado a outras raças ou mesmo a animais de estimação de outras espécies.

"De fato, seria muito interessante estudar também outros animais de estimação", concorda Roth. "Mas primeiro precisamos investigar outros tipos de raças de cães e também incluir proprietários masculinos. São projetos em andamento."

As raças escolhidas - border collie e pastor-de-shetland - têm em comum a capacidade de interagir bem com seres humanos, respondendo com precisão e rapidez aos sinais. O que pode sugerir que sejam mais adaptadas à sincronização, ao longo da evolução junto ao ser humano.

Raças de cães de caça, lembram os pesquisadores, são desenvolvidas de forma a serem animais "independentes". Talvez sua sincronização com humanos não seja tão intensa.

Uma outra linha de pesquisa também deve se desdobrar para analisar se essa interação também ocorre - da mesma forma ou de modo diferente - no caso de proprietários homens.

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=fmk3Ub4dhh8

https://www.youtube.com/watch?v=CmNIy8f0P-o

https://www.youtube.com/watch?v=GWWcnm2Y2vg

BBC News Brasil BBC News Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita da BBC News Brasil.

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade