0

Aparelho utiliza energia eólica para carregar smartphones

Trinity gera energia o suficiente para carregar um celular de quatro a seis vezes, sendo ideal para atividades ao ar livre

5 jan 2015
11h35
atualizado às 14h30
  • separator
  • comentários

Dois eletricistas islandeses, Einar Agustsson e Agust Agutsson, desenvolveram um aparelho portátil que utiliza a energia gerada pelos ventos para carregar qualquer aparelho com entrada USB (até mesmo notebooks), o Trinity.

<p>Caso não tenha vento, o Trinity coloca seu usuário para trabalhar: o gadget possui uma alavanca para ser usada, basta por 'o muque' para se exercitar</p>
Caso não tenha vento, o Trinity coloca seu usuário para trabalhar: o gadget possui uma alavanca para ser usada, basta por 'o muque' para se exercitar
Foto: Eco Desenvolvimento

Este gadget consiste em um cilindro de 12 polegadas, que possui um gerador de 15 watts e uma bateria que armazena 15.000 miliampere-hora (mAh), o suficiente para carregar um celular de quatro a seis vezes, sendo ideal para atividades ao ar livre, como acampamentos ou situações de emergência.

Como funciona?
O dispositivo possui três lâminas de alumínio de 11 polegadas que devem ser abertas formando um “tripé” para sua base. O cilindro na parte superior captura a energia gerada dos ventos a partir de sua rotação.

Quando a carga da bateria está completa, basta utilizar a entrada USB localizada embaixo do cilindro e carregar qualquer aparelho elétrico compatível!

Caso não tenha vento, o Trinity coloca seu usuário para trabalhar: o gadget possui uma alavanca para ser usada, basta por 'o muque' para se exercitar.

A turbina do aparelho foi fabricada com plástico e alumínio, medindo quase 30 centímetros de comprimento e pesando 1,8 quilogramas.

O projeto foi financiado coletivamente no site Kickstarter e deve ser vendido em escala a partir de 2015. A versão básica deve custar algo em torno de US$ 300 (aproximadamente R$ 807). 

Túnel do tempo: relembre gadgets dos anos 80 e 90 Túnel do tempo: relembre gadgets dos anos 80 e 90

Fonte: Eco Desenvolvimento Eco Desenvolvimento

compartilhe

comente

  • comentários
publicidade