PUBLICIDADE

Chefe do Hamas diz que acordo de trégua com Israel está "próximo"

21 nov 2023 - 08h13
Compartilhar
Exibir comentários

O chefe do Hamas disse à Reuters nesta terça-feira que o grupo militante palestino estava perto de um acordo de trégua com Israel, mesmo com a continuação do ataque mortal em Gaza e dos foguetes disparados contra Israel.

Autoridades do Hamas estavam "perto de chegar a um acordo de trégua" com Israel e o grupo entregou sua resposta aos mediadores do Catar, afirmou Ismail Haniyeh em um comunicado enviado à Reuters por seu assessor.

A declaração não forneceu mais detalhes, mas um representante do Hamas disse à TV Al Jazeera que as negociações estavam centradas na duração da trégua, nos arranjos para a entrega de ajuda em Gaza e na troca de reféns israelenses mantidos pelo Hamas por prisioneiros palestinos em Israel.

Ambos os lados libertariam mulheres e crianças e os detalhes seriam anunciados pelo Catar, que está mediando as negociações, disse a autoridade, Issat el Reshiq.

Israel tem evitado fazer comentários sobre o status das negociações lideradas pelo Catar. De acordo com o canal de televisão israelense Channel 12, uma fonte sênior do governo não identificada disse que "elas estão próximas", mas sem dar detalhes.

O Hamas fez cerca de 240 reféns durante seu ataque a Israel em 7 de outubro, que matou 1.200 pessoas.

Mirjana Spoljaric, presidente do Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV), encontrou-se com Haniyeh no Catar na segunda-feira para "avançar nas questões humanitárias" relacionadas ao conflito, informou o CICV, com sede em Genebra, em um comunicado. Ela também se reuniu separadamente com autoridades do Catar.

O CICV disse que não fazia parte das negociações que visam a libertação dos reféns, mas, como intermediário neutro, estava pronto para "facilitar qualquer libertação futura com a qual as partes concordassem".

Há dias que se fala em um acordo iminente sobre os reféns. A Reuters informou na semana passada que os mediadores do Catar estavam buscando um acordo para que o Hamas libertasse 50 reféns em troca da libertação de alguns prisioneiros por Israel e de um cessar-fogo de três dias.

O embaixador israelense nos Estados Unidos, Michael Herzog, disse no programa "This Week", da ABC, no domingo, que esperava um acordo "nos próximos dias", enquanto o primeiro-ministro do Catar, Mohammed Bin Abdulrahman al-Thani, afirmou que os pontos de atrito restantes eram "muito pequenos". O presidente dos EUA, Joe Biden, e outras autoridades norte-americanas disseram na segunda-feira que um acordo estava próximo.

O ataque do Hamas em 7 de outubro, o dia mais letal da história de 75 anos de Israel, levou Israel a invadir Gaza para aniquilar o grupo militante que governa o país desde 2007.

Desde então, o governo do Hamas em Gaza afirma que pelo menos 13.300 palestinos foram confirmados como mortos, incluindo pelo menos 5.600 crianças, pelo bombardeio israelense que destruiu grande parte de Gaza, especialmente a metade norte.

Cerca de dois terços dos 2,3 milhões de habitantes de Gaza ficaram desabrigados, com milhares por dia ainda caminhando para o sul a pé com seus pertences e crianças nos braços. As partes central e sul do enclave, para onde Israel disse a eles para irem, também têm sido atacadas regularmente.

20 MORTOS EM ATAQUE

Autoridades de saúde de Gaza disseram nesta terça-feira que pelo menos 20 palestinos foram mortos no bombardeio israelense ao campo de refugiados de Nuseirat, no centro de Gaza, à meia-noite. Não houve comentário imediato de Israel.

O já lotado distrito de Nuseirat, que surgiu de um campo para refugiados palestinos da guerra israelense-árabe de 1948, fica ao sul dos pântanos que dividem a faixa e tem sido o primeiro ponto de chegada de um grande número de pessoas que escapam dos combates ao norte.

Acredita-se que dezenas de milhares de civis permaneçam no norte, apesar da ordem israelense de fuga. Todos os hospitais de lá deixaram de funcionar normalmente, embora muitos ainda estejam abrigando pacientes e moradores de Gaza deslocados. Israel diz que o Hamas usa os hospitais como escudos para seus combatentes, o que o Hamas e os hospitais negam.

O Ministério da Saúde de Gaza afirmou na segunda-feira que pelo menos 12 palestinos foram mortos e dezenas ficaram feridos por disparos contra um hospital construído pela Indonésia e cercado por tanques israelenses. Israel diz que atirou de volta contra os combatentes que abriram fogo de dentro do hospital.

Reuters Reuters - Esta publicação inclusive informação e dados são de propriedade intelectual de Reuters. Fica expresamente proibido seu uso ou de seu nome sem a prévia autorização de Reuters. Todos os direitos reservados.
Compartilhar
TAGS
Publicidade
Seu Terra












Publicidade