3 eventos ao vivo

'Tudo foi manipulado', diz fotógrafo que fez imagem de Herzog

4 fev 2012
22h21
atualizado às 22h30

Aluno do curso de fotografia da Polícia Civil de São Paulo em 1975, Silvaldo Leung Vieira, então com 22 anos, fez em 25 de outubro daquele ano a imagem mais importante para o Brasil naquela década: a foto do corpo do jornalista Vladimir Herzog, pendurado por uma corda no pescoço, numa cela de um dos principais órgãos de repressão da ditadura, o Destacamento de Operações de Informações - Centro de Operações de Defesa Interna (DOI-Codi). "Ainda carrego um triste sentimento de ter sido usado para montar essas mentiras", contou o fotógrafo, que teve de abandonar o emprego e o País; ele vive em Los Angeles, nos EUA, desde 1979. As informações são do jornal Folha de S. Paulo.

Dezessete dias depois de iniciar o curso de fotografia na instituição, Silvaldo foi convocado para sua primeira aula prática no complexo da rua Tutoia, no bairro do Paraíso, em São Paulo. Quando chegou ao DOI-Codi, a cena do suposto suicídio já estava montada. Em uma cela, o corpo pendia de uma tira de pano atada a uma grade da janela; as pernas estavam arqueadas e os pés encostados no chão, onde havia papel picado. "Eu estava muito nervoso, toda a situação foi tensa. (...) Havia uma vibração muito forte, nunca senti nada igual. Mas não me deixaram circular livremente pela sala, como todo fotógrafo faz quando vai documentar uma morte. Não tive liberdade. Fiz aquela foto praticamente da porta. Não fiquei com nada, câmera, negativo ou qualquer registro. Só dias depois fui entender o que tinha acontecido", disse ele. "Tudo foi manipulado, e infelizmente eu acabei fazendo parte dessa manipulação." Publicada na imprensa, a imagem corroborou a tese de que o "suicídio" de Herzog era uma farsa, e foi decisiva para mudar os rumos da ditadura.

Fonte: Terra

compartilhe

publicidade
publicidade